SITAM: horário alargado não salva comércio

A direcção do SITAM exige mais fiscalização por parte da Inspecção Regional do Trabalho.

A direcção do SITAM – Sindicato dos Trabalhadores de Escritório, Comércio e Serviços reuniu, hoje à tarde, com o director regional do Trabalho, Benício Nunes. Sobre a mesa, entre outras questões, o horário de encerramento dos estabelecimentos comerciais na quadra natalícia, a discordância dos empregadores em relação ao horário excepcional na quadra natalícia e as medidas relativas ao trabalho extraordinário.

À saída da reunião, que durou pouco mais de 30 minutos, Ivo Silva explicou que o horário alargado, proposto pela Câmara Municipal do Funchal, em concertação com as associações comerciais, “não vai salvar o comércio tradicional e muito menos assegurar os postos de trabalho”, uma vez que a medida vai acarretar gastos para as empresas.

Por isso, para além de uma maior fiscalização por parte da Inspecção Regional, o SITAM exigiu também maior abertura da autarquia às reivindicações dos trabalhadores. “O que a Câmara propõe são 13 dias seguidos de trabalho, entre o dia 12 e 24 de Dezembro, sabendo que muitos patrões não têm funcionários suficientes para os turnos”.

Ivo Silva observou ainda que as medidas apresentadas pelo Governo da República, como seja mais meia hora de trabalho, contrariam os direitos sociais há muito adquiridos. “Os trabalhadores não podem sair penalizados”, não quando foi o Governo o responsável pela actual crise social e laboral.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest