Privatização da EEM vai trazer despedimentos

CDU/M alerta para as consequências da privatização da Empresa de Eletricidade.

A Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM), uma das empresas que mais contribui para a economia regional, está na lista das privatizações anunciadas pelo Governo Regional.

Algo “impensável”, apontou Leonel Nunes, da CDU/Madeira, alertando para as consequências da medida, entre as quais o aumento das tarifas. “Com certeza que estes custos vão penalizar ainda mais as empresas, vão haver despedimentos e os cortes nos subsídios de férias e de Natal vão chegar a todos os trabalhadores”.

Durante a ação política realizada, hoje à tarde, muitas empresas foram acusadas de má gestão, de beneficiar os quadros administrativos, enquanto que os prejuízos recaem na classe operária. “Uma gestão equilibrada na EEM, com cortes naqueles que acumulam funções, seria suficiente para o saneamento económico da empresa”.

O dirigente analisou ainda as declarações do secretário do Ambiente e dos Recursos Naturais, Manuel António Correia, sobre a continuidade da ILMA, e aconselhou-o a prestar esclarecimentos na Assembleia Legislativa.

“Temos dúvidas quanto às intenções do Governo e estamos preocupados com o futuro dos 81 trabalhadores”, afirmou, lamentando a atitude da Câmara do Funchal ao cortar o fornecimento de luz à empresa de lacticínios. “Gostava de saber quantas dívidas acumula a autarquia do Funchal, inclusive à Empresa de Eletricidade”.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”][fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest