Ensino deve ser inclusivo

Jaime Freitas defendeu hoje que a educação deve ser de inclusão e não de integração.

“Sabemos distinguir que há um conjunto de pessoas que precisam de uma atenção mais especial para poderem obter este objetivo de inclusão. Porém, temos de olhar para todos de uma forma igual, dando a cada um a atenção diferente que a pessoa precisa”, afirmou o secretário regional da Educação e dos Recursos Humanos.

O governante, que falava esta tarde na sessão de encerramento das “II Jornadas APD-Funchal”, reforçou que o “simples facto de se criar estruturas, organismos ou até teses científicas exclusivamente orientados para um determinado tipo de pessoas pode constituir um elemento de estigma desse grupo de pessoas”.

O secretário regional explicou, por exemplo, que a extinção da Direção Regional de Educação Especial e Reabilitação vai no sentido de tornar o ensino cada vez mais inclusivo.

“Temos tomado algumas decisões difíceis – sendo que algumas pessoas poderão não as compreender à primeira vista – no sentido de que a nossa educação seja dirigida a todos… a todas as crianças e jovens. Quando se diz todas as crianças e jovens não é preciso dizer: – incluindo aqueles que têm necessidades especiais. A educação é para todos ponto final”, afirmou Jaime Freitas.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest