Bem-te-quero e malmequeres‏

As mezinhas

Muitas vezes ainda não acabei de pronunciar a frase “tenho que ir à farmácia” e já alguém, habitualmente mulher acima de uma determinada idade e sabedora do meu fragilizado estado de saúde, me está a debitar uma mezinha que vem de tempos antigos como a escuridão e, segundo parece, com resultados domesticamente comprovados.
Sem querer desconfiar de tais receitas caseiras, e estando até consciente de que antes de existir a medicina que hoje conhecemos os povos já se tratavam com plantas, sementes, bagas e sei lá mais o quê e conseguiam debelar maleitas do corpo e do espírito, a verdade é que o simples pensar nos ingredientes e sabores de tais mistelas me desincentivam de imediato a comprová-las e até parece que arrebito e enceto o caminho da recuperação e das melhoras.
Mas a verdade, aqui que ninguém nos lê, é que dá-me para brincar e gozar com estas mezinhas, chegando ao ponto de criar as minhas e receita-las levianamente a quem me vem com dores de isto ou de aquilo. Logo que, que abomino o hipocondrismo e não tenho a menos pachorra para pieguices sejam de que ordem forem.
« estou com uma inflamação da vista que nem te digo nada…»
– Então não digas pá! Mas faz o seguinte: refoga uma cebola com alho e pimenta, junta-lhe cenoura às rodelinhas a teu gosto, esmaga tudo e coloca a pasta pestilenta no olho em causa. Deixa ficar por 20 minutos e, quando voltares a abrir o dito cujo, vais ver como nunca viste e até a cor do olho mudou para aquela que sempre quiseste ter! Tens é que inflamar em seguida o outro para ficarem iguais!
« ai António…dói-me tanto os testículos!»
– É fácil amigo! Basta meteres um raminho de alecrim entalado nas virilhas que vais ver como passa num instante. Isso só pode ser mau-olhado e inveja da tua capacidade testicular e de armazenamento de testosterona. Não te preocupes que vai passar!
« ai António…que estou com uma depressão que não consigo sair da cama…»
– É fácil minha querida. Mistura, num almofariz, um bocadinho de raticida, junta-lhe umas gramas de cianeto, esmagas vinte xanax de 1 grama, despejas algumas gotas de gel desentupidor de canos, agitas durante dois minutos, metes num copinho de shot e emborcas de uma vez. Vais ver como nunca mais tens depressões…

António Cruz escreve de acordo com a antiga ortografia.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest