Representação do GR não pode ser imposta pelo Parlamento

Único representante do Governo, na discussão da Moção de Censura, saiu sem intervir.

Jaime Freitas, secretário regional de Educação e Recursos Humanos, saiu hoje da Assembleia Legislativa da Madeira sem intervir.

O único representante do Governo Regional, na discussão da Moção de Censura apresentada pelo Partido Socialista, explicou depois que “a moção de censura é feita ao governo no seu conjunto, não é feita a ninguém individualmente, também não é feita ao senhor presidente, que é uma figura que não existe estatutariamente”.

O secretário regional acrescentou que o Governo, enquanto órgão de governação com identidade própria, pode se fazer representar pelo presidente, pelo vice-presidente ou por qualquer secretário. “Não se pode estar a impor que o Governo seja representado desta ou daquela forma”.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest