Penhoras do Estado são “inadmissíveis”

Centristas criticam penhoras do Estado a fornecedores que não recebem há meses.

O líder regional do CDS/PP, José Manuel Rodrigues considera “inadmissível” que num estado de direito democrático o Estado penhore as empresas que não recebem o dinheiro que o Estado lhes deve e por esse motivo estão em falta para com as finanças e Segurança Social.

“É preciso que a República possa desbloquear, rapidamente, as verbas do contrato de empréstimo à RAM para que a Região possa pagar às empresas e aos seus fornecedores porque não é admissível que os fornecedores tenham pagamentos atrasados do governo, institutos e municípios e não recebam, e por outro lado as finanças estejam a penhorar esses mesmos fornecedores por dívidas ao fisco e a Segurança Social, é inadmissível”, vincou o líder centrista.

Rodrigues lembrou ainda que sete das 11 câmaras da Madeira estão falidas e vão ter de recorrer a uma linha de crédito da República para poder pagar dívidas, sendo que as consequência do resgate financeiro são o aumento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nesses municípios e aumento de outras taxas municipais.

“Por aqui se vê o que foi a irresponsabilidade do PSD na governação da Madeira e das 11 câmaras da Região”, criticou o presidente do CDS/Madeira numa iniciativa política que teve lugar no concelho de Santana.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest