BPI Capacitar entrega 700 mil euros a 20 projectos para melhorar a vida das pessoas com deficiência

No âmbito da 8ª edição do Prémio BPI Capacitar, o BPI entregou hoje 700.000 euros a 20 instituições de solidariedade para apoiar projectos que promovem a inclusão social, a melhoria da qualidade de vida e a autonomia de pessoas com deficiência ou incapacidade permanente, reforçando em 200.000 euros a dotação inicialmente prevista.

O primeiro prémio foi entregue, ex aequo, à ARCIAL – Associação para a Recuperação de Crianças Inadaptadas de Oliveira do Hospital e à APELA – Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica. A ARCIAL apresentou um projecto de formação e integração de jovens com deficiência nos trabalhos de germinação de árvores apoiando a reflorestação de área ardida na região. O projecto da APELA visa melhorar a qualidade de vida de doentes retidos em domicílio, através da dinamização de uma equipa itinerante multidisciplinar.

O BPI distinguiu ainda os projectos de outras 18 instituições com menções honrosas. O Júri analisou mais de 224 candidaturas e seleccionou os projectos que considerou mais sustentáveis, mais inovadores e com maior impacto social.

Criado em 2010, o Prémio BPI Capacitar já atribuiu mais de 4,6 milhões de euros a instituições privadas sem fins lucrativos para a implementação de 145 projectos de inclusão social que contribuem diariamente para melhorar a qualidade de vida de mais de 32 mil beneficiários directos em todo o território nacional.

O BPI Capacitar insere-se na política de responsabilidade social do Banco, que se tem destacado pelo trabalho próximo com instituições que estão no terreno, apoiando as populações mais necessitadas através de projectos de inclusão social. O prémio é atribuído através de donativos, sem qualquer contrapartida que não seja a própria execução do projecto.

20 projectos para combater o isolamento e melhorar a qualidade de vida

O projecto apresentado pela ARCIAL – Associação para a Recuperação de Crianças Inadaptadas de Oliveira do Hospital proporciona dois benefícios complementares à comunidade onde se insere a partir de uma única acção: ao propor a participação de jovens com deficiência num projecto socialmente útil como é a reflorestação, está igualmente a contribuir para recuperar as zonas da região afectadas pelos incêndios do último Verão em Portugal. Na base do projecto está a formação e a integração de jovens com deficiência em trabalhos de germinação de árvores autóctones em estufa, com o objectivo de contribuir posteriormente para a reflorestação de área ardida na região. Dessa forma é potenciada a capacitação dos jovens para a inclusão social e a sua reintegração no mercado de trabalho, transmitindo ao mesmo tempo valores associados à sustentabilidade.

Por seu lado, o projecto da APELA – Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica inclui uma componente de apoio directo aos doentes que estejam já sob limitações profundas causadas pela doença e uma outra componente associada à prevenção. A Associação pretende dinamizar uma equipa itinerante multidisciplinar, com o objectivo de prevenir e retardar os sintomas evolutivos da doença, como a perda de mobilidade, da fala, da deglutição e da respiração. Está prevista também a disponibilização de soluções tecnológicas de comunicação criadas a pensar nos pacientes retidos em domicílio, que ajudem a melhorar a resposta social a uma necessidade específica.

Além dos primeiros prémios, o BPI distinguiu outras 18 instituições com menções honrosas: ARIA – Associação de Reabilitação e Integração Ajuda, CERCIPENELA – Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Penela, CRL, APPACDM de Coimbra, MADI de Vila do Conde – Movimento de Apoio ao Diminuído Intelectual, Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, Pais em Rede Associação, Centro Social e Cultural S. Pedro de Bairro, Associação Histórias para Pensar – Projecto Mãos que Cantam, AFPAD – Associação Famalicense de Prevenção e Apoio à Deficiência, Novamente – Associação de Apoio ao Traumatizado Crânio-Encefálico e Sua Família, CAPITI – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Infantil, APPACDM de Portalegre, Associação Rumo à Vida, Comissão de Apoio Social e Desenvolvimento de Santa Catarina, APN – Associação Portuguesa de Neuromusculares, CERCIMA, AAMA – Associação de Actividade Motora Adaptada e APPACDM de Setúbal.

Pin It on Pinterest