Feira do Livro do Funchal patente até 3 de junho na Avenida Arriaga

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, abriu hoje oficialmente a 44ª edição da Feira do Livro do Funchal, que decorre, este ano, até ao próximo dia 3 de junho, na Avenida Arriaga, O evento cultural este ano conta com a presença confirmada de 52 autores e 25 editoras, livreiros e alfarrabistas, e inclui, igualmente, 7 lançamentos de livros (5 editados pela CMF), 22 concertos, 3 espetáculos de teatro, muita animação de rua e um espaço infantojuvenil diário.

Os nomes fortes da 44ª edição são João Tordo, João Pinto Coelho, Onésimo Teotónio de Almeida, Bruno Nogueira, José Milhazes, Rui Zink, José Gomes Ferreira e Júlio Machado Vaz.

Paulo Cafôfo manifestou o entusiasmo por mais uma edição deste que é um evento “com cada vez mais autoestima, mais identidade e com público e ambição cada vez mais consolidados. Quando o atual Executivo camarário entrou em funções, pareceu-nos claro que a nossa Feira do Livro carecia de um rumo e de um modelo que fosse mais apelativo à participação de editoras e livreiros, mas igualmente à adesão das pessoas.”

O Presidente explica que foi, então, posta prática “uma fórmula centrada nos livros e nos criadores, mas que se apresentasse para toda a família, e um programa cultural que apelasse à promoção à leitura, das mais diversas formas, fosse através de música, debates, tertúlias ou teatro. É uma grande alegria e um sentimento de dever cumprido olhar hoje para a Feira do Livro do Funchal não só como uma certeza da nossa cena cultural, mas cada vez mais como uma referência a nível nacional.”

Para o autarca, “a Feira não só recuperou a sua identidade, como cresceu por si própria, atraindo novos públicos para novas ocasiões, aumentando as vendas e contribuindo para a dinamização generalizada que se passou a sentir na nossa economia local. Porque é isso que queremos: ter a cidade cheia de gente, ter as pessoas na rua com muita coisa a acontecer, com oferta em quantidade e em qualidade, e é para isso que temos trabalhado com tanto empenho ao longo dos últimos anos.”

O Funchal é, assim, uma cidade com cada vez mais impacto cultural, que “seduz as pessoas a virem consumir uma cultura que é muito apetecível, não só pela qualidade que tem, mas também porque é acessível a toda a gente. Democratizámos o acesso à cultura no Funchal e provámos que era possível ser ambiciosos, tratando a cultura como um investimento e nunca como uma despesa, e acredito que, hoje, os funchalenses já não aceitariam outra coisa.”

O Presidente concluiu que “este ano, seguimos pelo mesmo caminho, apostando na Feira do Livro como um dos mais importantes marcos culturais do ano no Funchal, convidando as famílias madeirenses a não perderem o certame e a levarem pelo menos um livro desta 44ª edição da Feira do Livro do Funchal”.

 

Sessões de autógrafos e cocktails ao vivo no stand da Editora O Liberal

A Editora O Liberal também marca presença na Feira do Livro e apresenta um programa atrativo com sessões de autógrafos todos os dias, no stand, com os autores dos livros editados pela mesma. No dia da abertura, Fernando Olim realizou um cocktail ao vivo alusivo ao evento.

Fernando Olim a elaborar um cocktail ao vivo, alusivo à abertura da «Feira do Livro Funchal 2018»
Sandra Silva e Teresa Camacho em representação da Editora O Liberal

Pin It on Pinterest