APAV registou 3.387 processos de apoio a pais que são vítimas de Violência Doméstica

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima apresenta o relatório “Estatísticas APAV: Crimes de Violência Doméstica | Violência Filioparental 2013-2017”. Neste período, a APAV abriu 3.387 processos de apoio relativos a violência filioparental, nos quais se contabilizaram 7.076 factos criminosos.

A violência filioparental caracteriza-se por atos violentos e intencionais de filhos em relação aos pais – envolvendo ameaça, intimidação e domínio para a obtenção de controlo e poder. Dos factos criminosos contabilizados, 6.627 (94%) correspondem a crimes de violência doméstica em sentido estrito (atos criminais enquadráveis no art. 152º, como maus tratos físicos, maus tratos psíquicos, ameaça, coação, injúrias, difamação e crimes sexuais).

A vergonha e a manutenção do mito da harmonia familiar favorecem o secretismo em torno do problema, o que tem contribuído para uma intervenção menos desenvolvida neste campo do que noutros tipos de violência intrafamiliar (como o abuso/negligência dos filhos ou a violência entre parceiros íntimos).
A violência filioparental não é um problema individual ou uma questão restrita ao contexto familiar; é um problema social, de justiça e de saúde pública. A APAV tem vindo a alertar a sociedade portuguesa para esta realidade, ainda obscura, da violência doméstica praticada pelos filhos contra os pais.

Nos dados agora apresentados, 81,69% das vítimas são do sexo feminino. Cerca de 48% dos pais vítimas de violência doméstica tinham 65 ou mais anos de idade. Na maioria dos casos, o autor do crime é do sexo masculino (68,65%) e com idades compreendidas entre os 36 e os 45 anos (17,7%).

Destaca-se que o número de autores e autoras de crime (3.579) ultrapassou, no período em questão, o número de vítimas (3.369).

A violência doméstica, também na forma da violência filioparental, é um crime público que não pode ser remetido ao silêncio.

A APAV está disponível para ajudar através de diferentes serviços, nomeadamente através da Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis, 9h-21h) – o número gratuito e confidencial de apoio da APAV.

Dados

Entre 2013 e 2017, a APAV registou um total de 3.387 processos de apoio a pais que são vítimas de Violência Doméstica, por parte dos próprios filhos/as. Estes valores traduziram-se num total de 7.076 factos criminosos.

Com idades a partir dos 65 anos (48%), as vítimas de violência doméstica por parte dos filhos, eram sobretudo viúvas (28,2%) e pertenciam a um tipo de família nuclear com filhos/as (30,5%).

O número de autores/as de crime contabilizados entre 2013 e 2017 ultrapassou o número de vítimas (3.369). Em cerca de 68% das situações o/a autor/a do crime é do sexo masculino, com idades entre os 36 e os 45 anos (17,7%).

Tendo em conta o tipo de problemáticas existentes, prevalece o tipo de vitimação continuada em cerca de 80% das situações, com uma duração média entre os 2 e os 6 anos (13,2%). Sendo a residência comum o local onde ocorrem mais crimes (55,2%), já as queixas/denúncias registadas representam somente 27,3% face ao total de autores de crime assinalados.

Pin It on Pinterest