Bem-te-quero e malmequeres‏

E foi assim mais uma edição, a 6ª, do Funchal Film Festival…
Com brilhantismo, com sedução, com glamour, com qualidade, com variedade, com profissionalismo, com exigência, com pormenor, com caras bonitas, com momentos inesquecíveis.

Uma edição que, entre outros, trouxe à Madeira nomes como Terry Jones, Roberto Farias, Derek de Lint, Caroline Hicks, Nicksa Svilicic ou Bernardo Sassetti, cada ao abrigo da sua arte.

Que fez passar filmes de alta qualidade e performance cinéfila como “Bem-vindo ao sul”, “Apnea”, “Apricot Island”, “Barra Pesada”, “ Mamma Gogo”, “Verónica” ou “O carteiro”.

Este é um daqueles eventos apoiados pela Câmara Municipal do Funchal que já se tornou imperdível, indispensável e incontornável. Esta é uma das formas correctas de apoiar e divulgar a cultura, enriquecendo o património cultural da nossa Região.

Enriquecendo os madeirenses que gostam de ver bom cinema, e os outros, que o vão descobrindo ao longo destas edições.

Um evento cuja responsabilidade organizativa recai sobre os ombros de Henrique Teixeira e do seu staff. E que é superiormente executado por todos!
A cada um de vós o meu obrigado.

De há uns anos a esta parte que os meses de Novembro na Madeira passaram a ser para mim uma forma de me “obrigar” a ficar no Funchal para não perder pitada do Funchal Filme Festival!

 

António Cruz escreve de acordo com a antiga ortografia

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest