Mercado: muita gente poucas compras

Comerciantes já têm barracas montadas na Rua Latino Coelho, mas queixam-se que o negócio “está reles”.

Na véspera da “Noite do Mercado” e com a Rua Latino Coelho já encerrada ao trânsito os comerciantes do Mercado dos Lavradores já estão na rua com as barracas de frutas e legumes montadas, mas o negócio está muito fraco pelo que o CidaNet pode constatar no local.

À fala com alguns comerciantes que já trabalham há mais de 20 anos na “Noite do Mercado” todos se mostraram desanimados com as vendas e nem mesmo o bom tempo faz renascer a esperança dos vendedores.

Francisco Pestana vendedor de frutas e legumes confessou à nossa reportagem que nunca viu nada assim e afirmou que não está à espera que as coisas melhorem no dia e noite de amanhã.

“É o que a menina vê, nem preciso de dizer nada está a ver gente mas ninguém compra dizem que está caro e nota-se que as pessoas não têm dinheiro”, refere o comerciante, salientando que, este ano, nem o bom tempo ajuda.

A dona Maria também vende dentro do mercado, mas no dia 22 de Dezembro gosta de vir para a Rua Latino Coelho porque, segundo revelou, o espaço que tem dentro é muito pequeno para colocar a fruta que tem para vender, mas a vendedora mostrou-se desanimada.

“O tempo está excelente, mas as pessoas não têm dinheiro, isto está mesmo reles. As pessoas que aparecem é para passear ou para ver e estou aqui desde de manhã e ainda não vendi nada”, desabafa, salientando que apostou um pouco mais para ver se ganhava algum dinheiro para fazer face às dificuldades do mês de Janeiro e dos meses seguintes que vão ser, no entender, dos comerciantes difíceis.

“Nos outros anos não era isto, mesmo no ano passado não teve nada a ver com o que está a acontecer hoje é que não se vende nada”, aponta, afirmando que espera melhores resultados para o dia e a noite de amanhã.

Talhos vendem pouca carne de porco

Já, os comerciantes dos talhos, circundantes ao mercado, não quiseram gravar declarações, no entanto, acabaram por dizer que o negócio está fraco e que as grandes superfícies têm tirado muitos clientes.

Sobre a venda da carne de porco, para as tradicionais sandes de carne de vinha de alhos, não fizeram grandes comentários mas deram a entender que a carne tem alguma procura, mas as vendas não têm nada a ver com os anos anteriores.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”][fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]


PUB