Portugal regista decréscimo no Índice de Bem-estar

Dos 10 domínios que integram o IBE, a Educação, a Saúde e o Ambiente são as componentes do bem-estar com evolução mais favorável no período analisado.

funchalO Instituto Nacional de Estatística (INE) apresenta hoje os principais resultados do estudo “Índice de Bem-estar para Portugal”.

Este estudo baseia-se na metodologia definida por um conjunto de organizações internacionais, nomeadamente a OCDE e o Eurostat, e aplicada por vários Institutos de Estatística.

Entre 2004 e 2012 a taxa de variação média anual do Índice de Bem-estar foi de 0,9%. O índice agora divulgado abrange o período de 2004 a 2013, correspondendo este último ano a resultados preliminares e continuará a ser objeto de atualização e divulgação anual. O Índice de Bem-estar apresenta uma redução em 2012 projetando-se a continuação desse agravamento para 2013.

Dos 10 domínios que integram o IBE, a Educação, a Saúde e o Ambiente são as componentes do bem-estar com evolução mais favorável no período analisado. Inversamente, os domínios Trabalho e remuneração e Vulnerabilidade económica são aqueles cuja evolução foi mais desfavorável.

Os dois índices sintéticos, Condições materiais de vida e Qualidade de vida, evoluíram em sentidos opostos, com o primeiro a evidenciar uma tendência decrescente, que se acentuou de 2010 para 2013, e o segundo a apresentar uma tendência crescente, embora bastante atenuada após 2011.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest