Poupar é palavra de ordem

A diretora do Serviço de Defesa do Consumidor alerta que a melhor forma de minimizar os efeitos da austeridade é a poupança.

O ano que hoje se inicia não se prevê nada fácil, uma vez que o plano de assistência à Região exige alguns sacrifícios adicionais à população madeirense.

Entre as medidas de austeridade já anunciadas pelo Governo Regional destaca-se o aumento da taxa do IVA de 16 para 22% (entra em vigor a 1 de Abril de 2012), ou seja menos um ponto percentual que o IVA praticado em Portugal Continental. Por sua vez, as taxas de IRS e IRC já subiram hoje dos 20 para os 25%.

Apesar de tudo, a diretora do Serviço de Defesa do Consumidor ressalva que as medidas de austeridade aplicadas à Madeira “são as mesmas do Continente, embora se mantenha, apesar de tudo, no IVA uma diferença que nos é favorável”.

“Naturalmente que em todo o caso, é exigido aos madeirenses um esforço acrescido para assegurar a sustentabilidade das nossas finanças e, consequentemente, garantir a autonomia”, complementou Graça Moniz.

Assim, aquela responsável avisa que a melhor forma de minimizar os efeitos desta situação de austeridade será racionalizar as despesas, cortar no supérfluo e até mesmo, em alguns casos de maiores dificuldades, no que não seja estritamente indispensável. Ao mesmo tempo, haverá que otimizar os recursos e os meios, designadamente na gestão doméstica.

“Perante a redução de vencimentos, o corte dos subsídios e a ameaça do desemprego, a poupança parece ser uma opção avisada. Perante este cenário, há que fazer escolhas e alguns sacrifícios na hora de gastar”, salienta Graça Moniz.

Nesse sentido, a diretora do Serviço de Defesa do Consumidor sugere algumas dicas que devemos ter em consideração:

Gastar menos do que se ganha é uma regra de ouro e a base para evitarmos o endividamento;

– Ter apenas um cartão de crédito;

Pagar as compras em dinheiro. Ao vermos a rapidez com que o dinheiro real sai do bolso, é mais fácil controlarmos os gastos;

– Diminuir o número de vezes que se vai ao supermercado. Se nos organizarmos para fazermos compras apenas num dia do mês, conseguimos poupar em deslocações e resistimos mais facilmente às tentações dos supermercados e centros comerciais;

Marcas brancas e serviços low cost passaram a ser sinónimo de compra inteligente.

Para além destes conselhos gerais, existem alguns truques e hábitos para poupar em casa, tais como:

Fechar a torneira enquanto se lava os dentes ou se faz a barba. Consome-se menos 50% de água;

– Instalar redutores de caudal nas torneiras;

Substituir as lâmpadas incandescentes por lâmpadas economizadoras;

– Não deixar os aparelhos eletrónicos em modo de repouso;

Verificar se a tarifa bi-horária é a melhor para si. Utilizem os simuladores do fornecedor de energia.

Para concluir, a responsável pelo Serviço de Defesa do Consumidor deixa um último conselho. “Em tempos de austeridade, não pode nem deve haver compras por impulso. O impulso terá de ser o da economia e da poupança. È esse esforço que também deve ser pedido a todos”, frisou.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest