Ecstasy pode provocar alterações na acuidade visual

Estudo mundial sobre os efeitos do ecstasy na visão foi desenvolvido na Universidade de Coimbra.

Um estudo pioneiro a nível mundial, desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem – IBILI, da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (UC), demonstrou, em modelo animal (rato), que o ecstasy pode provocar alterações na perceção e acuidade visual.

Sabendo que esta droga causa toxicidade no cérebro, por que razão nunca foram estudados os efeitos do ecstasy na função da retina, que também faz parte do sistema nervoso central? Este foi o ponto de partida para a investigação centrada na atividade elétrica da retina desenvolvida nos últimos quatro anos e cujos resultados acabam de ser publicados na revista científica americana, PloS One.

Este estudo, explica o coordenador da equipa, Francisco Ambrósio, «é um primeiro passo para, no futuro, se perceber que efeitos poderá ter o consumo continuado de ecstasy na fisiologia da retina». Os investigadores pretendem, por isso, «mimetizar, também em modelo animal, o uso continuado de ecstasy segundo dois paradigmas: o consumidor jovem que vai passar uma semana de férias em grupo e toma diariamente ecstasy, e o consumidor jovem de fim de semana».

Este estudo inicial revela ainda que «além dos danos que o ecstasy provoca no cérebro, que podem ser irreversíveis, há um potencial problema adicional: danos na visão», conclui o especialista em ciências da visão da Universidade de Coimbra.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest