“Número de doentes renais é cada vez maior”

O secretário regional dos Assuntos Sociais presidiu às I Jornadas de Nefrologia da Madeira.

nefrologiaO Serviço de Nefrologia do SESARAM (Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira) organiza, durante o dia de hoje, as I Jornadas de Nefrologia da Madeira. Os temas a abordar estão organizados em cinco mesas redondas: “Diabetes mellitus e doença renal crónica”, “Doenças genéticas em Nefrologia”, “Lesão dos órgãos alvo” (doença cerebrovascular, retina, coração e rim), “Principais desafios na doença renal crónica” e a “Referenciação para a Consulta de Nefrologia”.

Esta manhã, na sessão de abertura das jornadas, o secretário regional dos Assuntos Sociais, Francisco Jardim Ramos, disse que tem vindo a ser feito um investimento avultado nesta área, sendo que, no momento, decorrem as obras de ampliação do serviço de hemodiálise, que visam dar uma melhor resposta ao aumento de doentes. “Mas esta questão de ser sempre complementada pelo serviço privado. Temos o envelhecimento da população com patologias que provocam insuficiência renal. O número de doentes renais é cada vez maior”.

A Região tem, segundo os dados avançados, 130 transplantados na área da Nefrologia, sendo que 118 são transplantados renais e outros 12 são duplos (rins e pâncreas). A saber a Nefrologia é a especialidade médica que se ocupa do diagnóstico e tratamento clínico das doenças do sistema urinário, em especial o rim. Por vezes, essas doenças só afectam os rins mas é necessário sublinhar que, na maior parte dos casos, as doenças que afetam os rins são doenças gerais, como a diabetes Mellitus, a hipertensão arterial e algumas doenças imunológicas, que provocam lesões em vários órgãos e também nos rins.

A utilização inadequada de alguns medicamentos de uso corrente, como os analgésicos e os anti-inflamatórios, por exemplo, também pode provocar lesões renais. Se não forem diagnosticadas precocemente e se não forem tratadas correctamente, as doenças renais podem provocar perda progressiva da função renal e evoluir para a insuficiência renal crónica.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest