UGT exige “políticas que fomentem o crescimento e o emprego”

O II congresso da UGT Madeira acontece num período em que a Região Autónoma da Madeira atravessa um “nível insuportável de desemprego”.

IMG_3471O II congresso da UGT Madeira, que decorre hoje no Funchal, alicerça o seu programa de acção nas orientações programáticas discutidas e aprovadas no XII Congresso da UGT e acontece num período em que a Região Autónoma da Madeira atravessa um nível insuportável de desemprego, estando sujeita a um Plano de Ajustamento Económico e Financeiro que impede um desenvolvimento económico e social sustentável.

Carlos Silva, secretário-geral da UGT, explicou, à margem da abertura do evento “Recuperar a Esperança, Olhar o Futuro”, que os trabalhadores têm sido confrontados com políticas de austeridade e que o Governo, como se pode ver pelo Orçamento de Estado, não dá grandes alternativas. Para a Madeira, em concreto, o sindicalista defendeu políticas que fomentem o crescimento e o emprego. “A região autónoma precisa de investimento público e precisa de investimento privado”, sendo esta uma forma de combate ao desemprego, cuja taxa na Região, de 14,7%, é acima daquela verificada no Continente.

Na ocasião falou-se também sobre o modelo de concertação social existente na Madeira. O dirigente da UGT observou que este é “menos funcional”, mas que uma mudança terá de passar naturalmente por um maior envolvimento de todos os parceiros sociais, inclusive do Governo Regional.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest