CDU contra critérios de aplicação da “derrama”

A CDU discorda com os critérios que a CMF vai utilizar para aplicar a taxa da derrama.

O vereador da CDU na autarquia do Funchal, Artur Andrade congratulou-se esta manhã, antes da entrada para a reunião do executivo camarário, com a criação da taxa da “derrama” anunciada na, passada semana, por Miguel Albuquerque. Contudo, o vereador comunista discorda com os critérios que o presidente da câmara decidiu aplicar à taxa.

A CDU considera que a taxa não devia ser igual para todas as empresas, 1% sobre os lucros acima de 150 mil euros, mas sim a aplicação da taxa de acordo com três escalões de lucro: 0,2% para empresas com lucros tributáveis até 300 mil euros, 0,5% para empresas com lucros superiores a 300 mil e inferiores e até 600 mil euros e 1,5% para as empresas com um volume de negócios superiores a 600 mil euros.

Na ocasião, autarca comunista defendeu ainda que as verbas resultantes da aplicação da taxa da “derrama” devem ser conduzidas para as áreas sociais.

“Deve ser uma taxa que tenha uma consignação para a vertente social, assim como para a ntervenção social e para a resolução de problemas como o desemprego e dificuldades económicas das famílias mais carenciadas”, vincou.

Artur Andrade solidarizou-se com os trabalhadores da CMF que hoje tiveram a “coragem de vencer os seus próprios medos” e aderiram à greve.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest