Pescadores do Paul queixam-se da falta de apoios

Os apoios tardam a chegar e, sobretudo quando os barcos ficam em terra, as famílias sentem dificuldades.

As dificuldades sentidas pelos pescadores não são de agora. Mas, naturalmente, a crise veio acentuá-las. Os pescadores do Paul do Mar queixam-se da falta de apoios do Governo, principalmente nas épocas em que não saem ao mar.

José Luís, pescador de longa data, observa que os protocolos estabelecidos com a União Europeia nem sempre são os melhores. “Qualquer dia já não se pode pescar nas águas da Madeira. São tantas as limitações”.

No Posto de Recepção de Pescado do Paul do Mar, inaugurado em Maio de 2011, as condições de trabalho melhoraram visivelmente. Ainda assim, conforme refere Pedro Branco, os engenheiros esqueceram-se da iluminação.

“Isto devia ter duas ou três lâmpadas para este lado. Quando a gente quer deitar as embarcações ao mar é muito complicado, temos de usar uma luz alternativa. Deviam ter feito as coisas de uma vez, não era um remendo hoje, um remendo amanhã”.

O aumento do custo de vida, nomeadamente do gasóleo, também complica a actividade. E o abastecimento, sendo no Funchal, acarreta os seus custos. Os pescadores daquela localidade lamentam assim que os subsídios cheguem mais rapidamente a outros portos. No Paul do Mar, em concreto, quando a ondulação não é favorável “é muito difícil trabalhar”, conclui.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest