UMa necessita arrecadar receita própria

Castanheira da Costa avisa que 2012 “não vai ser um ano fácil” para a Universidade da Madeira (UMa).

Os sucessivos cortes orçamentais do Estado têm dificultado a vida das universidades portuguesas, sendo que a UMa não é exceção. Castanheira da Costa admite mesmo que a UMa terá que dispensar alguns professores convidados para reduzir as suas despesas de funcionamento.
“Os professores da UMa que são de carreira têm as garantias legais todas, por isso parte-se do princípio que irão continuar a exercer a sua função. Agora em relação aos professores convidados é possível que haja demissões. Já fizemos algumas reduções e se calhar teremos que fazer mais”, apontou o reitor da UMa.
O orçamento da UMa para o próximo ano deverá ser de cerca de 12 milhões de euros, dos quais 8 milhões de euros deverão ser suportados pelo Orçamento do Estado. Assim, a UMa terá que suportar 4 milhões de euros, razão pela qual se torna necessário a instituição conseguir angariar receitas próprias.
“Neste momento, estamos mais interessados em avançar com um conjunto de ações que nos permitam recuperar mais receita própria. Do ponto da vista da despesas já estamos abaixo da média nacional, ou seja, o custo médio de um estudante na UMa é inferior à média nacional, por isso é muito difícil neste momento reduzirmos mais despesa”, salientou Castanheira da Costa.
O reitor da UMa falava ao final da manhã à margem da cerimónia comemorativa do 16º aniversário dos Serviços de Ação Social da Universidade da Madeira (SASUMa), que teve lugar no Auditório da Reitoria, no Colégio dos Jesuítas.
Na ocasião, o administrador dos SASUMa anunciou que no presente ano letivo 1418 alunos apresentaram a sua candidatura às bolsas de estudo, das quais 880 já foram aceites. “O concurso está praticamente fechado, uma vez que sensivelmente 90% das candidaturas foram já apreciadas e despachadas”, apontou.
Ricardo Gonçalves avançou, ainda, que no presente ano letivo os SASUMa pensam despender cerca de 1.6 milhões de euros em bolsas de estudo. “Em termos sumários, a bolsa média por aluno no corrente ano é de 1845 euros, enquanto que no ano passado foi de 1654 euros. O número de indeferimentos de candidaturas desceu em 7% em relação ao ano anterior”, indicou.
Na sua intervenção, o administrador da SASUMa queixou-se também da suspensão do complemento de transporte aos alunos deslocados, defendendo que esta decisão tem que ser revista.
As comemorações do 16º aniversário incluíram também a apresentação e entrega da certificação do Hygiene Monitored aos SASUMa pela empresa SGS, bem como a atribuição de prémios aos funcionários dos SASUMa, com mais de 15 anos de carreira na função pública, e aos que já passaram à condição de aposentados.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest