Galeria Marca de Água realizou visita orientada à exposição de Paulo BEJu

A Galeria Marca de Água realizou, na passada sexta-feira, dia 6, uma visita à exposição “opapeldasárvores” do artista plástico madeirense Paulo Sérgio BEJu, que irá orientar a visita à sua instalação artística desenvolvida no espaço situado na Rua da Carreira 119.

A larga afluência de público à exposição de Paulo Sérgio, é uma das razões evocadas pela galeria para o sucesso da exposição, revelando que a mesma será prolongada até ao próximo dia 12 de Setembro. Após uma interrupção para férias, a galeria reabriu, continuando com a exposição de Paulo Sérgio, que pode ser visitada de Segunda a Sexta-feira, das 10h30 às 13h00 e das 14h:00 às 18h:30, ou noutro dia e horário, mediante marcação prévia. Entrada livre.

Raquel Fraga, Diretora artística da Galeria Marca de Água agradece a oportunidade do artista trabalhar com a galeria e pela excelência da exposição. “Cada vez mais o público tem vindo a aderir ao projeto curatorial da galeria, reconhecendo-o como projeto de referência, muito devido à programação de serviços educativos e à diversificação das iniciativas e oferta cultural da galeria”, refere ainda. “Sendo que todos os eventos da galeria têm vindo a ter um carácter gratuito e entrada livre, respondendo à premissa de responsabilidade social desta galeria, actuando no sector e na comunidade em que se insere”, destaca.

Para o último trimestre do ano a galeria destaca a existência de 3 novas exposições, 3 visitas orientadas, 1 oficina criativa de desenho, 1 tertúlia e a celebração de 1 protocolo de cooperação e novas parcerias, que serão reveladas muito em brevemente.

A Marca de Água agradece a todos os visitantes, que marcam assiduamente presença nas exposições e participam nas atividades que organiza, pela promoção dos valores regionais.

A exposição de Paulo Sérgio BEJu reflete sobre a existência de “uma familiaridade formal entre uma árvore e um corpo”. “Penso que cada pessoa, também é uma árvore. Somos árvores no desencadear de uma poética que procuro trazer para a exposição.” afirma o artista no texto do catálogo da exposição.

A exposição contempla seis dezenas de obras e ocupa os três andares da galeria.

Na autonomização da expressão gráfica deste projeto, o autor usa a representação do sistema circulatório e a sua ramificação, como metáfora poética, no pleno uso do discurso específico da arte contemporânea. Os espaços providos de uma “aura cenográfica” procuram assim provocar diferentes sensações, refere a galeria.

O artista plástico Paulo Sérgio BEJu, natural da freguesia do Monte, nasceu em 1971. Licenciado em Artes Plásticas – Escultura, possui a Pós-Graduação em Direção Artística, pela ESAP-Extensão de Guimarães. É docente nas disciplinas de Educação Visual/Educação Tecnológica e Oficina de Teatro. Desenvolveu diversos projetos no âmbito das artes performativas; cenografia; ilustração; instalação e curadoria. Desde setembro de 2002, tem participado em exposições individuais e coletivas. Foram-lhe, atribuídos: o 1º prémio no Concurso de Poesia de Abrantes (junho 1996) e o 1º prémio do concurso de artes plásticas “Henrique e Francisco Franco” (Calheta, Dezembro 2005), este último, atribuído por um júri presidido pela curadora Isabel Carlos. Atualmente trabalha parcialmente na companhia ATEF – Serviço Educativo e faz apoio à realização plástica de espetáculo.

Pin It on Pinterest