Extinção da Educação Especial e Reabilitação deixa tristeza

A Madeira recebe, hoje e amanhã, o IX Congresso Nacional de Intervenção Precoce. Na Região são abrangidas 300 crianças.

Começou, há instantes, no Centro de Congressos da Madeira, o IX Congresso Nacional de Intervenção Precoce. A iniciativa insere-se também na Semana Regional da Pessoa com Necessidades Especiais.

Maria José Camacho, directora regional de Educação Especial e Reabilitação, uma entidade entretanto extinta pela Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos, falou com alguma tristeza.

“São 46 anos de história numa organização que foi pioneira a nível nacional e internacional. Isso está referido em diferentes documentos e eventos”, referiu, manifestando dúvidas sobre se a abordagem da problemática das pessoas com necessidades especiais vai se manter nos mesmos moldes.

Em termos da intervenção precoce, em concreto na Madeira, são abrangidas cerca de 300 crianças. É facultado um apoio sistemático à família, desde os primeiros dias de vida, e as equipas trabalham depois a nível mais abrangente. “Para que as famílias sejam capazes, elas mesmas, de encontrar soluções”.

Jaime Freitas, secretário regional de Educação e Recursos Humanos, garantiu, por sua vez, que a extinção daquele organismo não implica o fim do apoio prestado às pessoas com necessidades especiais, nem a dispensa dos técnicos a eles inerentes.

“Deve-se a um esforço que estamos a fazer de racionalização das estruturas, no âmbito da governação. É importante que se entenda que as pessoas com necessidades especiais continuarão a existir e que nós não deixaremos de dar-lhes a devida atenção”. As acções continuam com a mesma qualidade.

A sessão de abertura do IX Congresso Nacional de Intervenção Precoce contou ainda com a intervenção do presidente da CRIAMAR, João Carlos Abreu, e do presidente da Associação Nacional de Intervenção Precoce, Luís Borges.

Amanhã o evento continua com os temas: “A base neurológica da IPI”, “Famílias com riscos múltiplos por onde começar” e “IPI: Caminhos a percorrer”. Na Região encontram-se, a este propósito, prelectores reconhecidos internacionalmente.

A Semana Regional da Pessoa com Necessidades Especiais visa alertar a comunidade, não apenas para as limitações destas pessoas, mas para as suas capacidades nas mais variadas áreas, como sejam o desporto, o teatro ou a música.

Logo à noite, por exemplo, no Casino da Madeira, acontece um espectáculo com a Associação Dançando com a Diferença e a cantora Vânia Fernandes.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]


PUB