CDS exige que a CMF valorize prédios inativos

O objetivo é dinamizar os espaços que estão vazios, o sector cultural e criar mais postos de trabalho.

O vereador eleito pelo CDS na Câmara Municipal do Funchal, Lino Abreu, informou, esta manhã, em conferência de imprensa, que iria apresentar na reunião de câmara de hoje uma proposta que visa a utilização dos prédios devolutos e inativos. O objetivo segundo explicou Lino Abreu é “dinamizar os espaços que estão vazios e devolutos, especialmente, no centro do Funchal como algumas escolas primárias e habitações que se podem tornar em novas centralidades culturais”, defendeu, salientando que a dinamização de ser feita a baixos custos ou mesmo a custo zero.

O vereador centrista considera que a autarquia pode fazer contratos de concessão com algumas empresas que queiram desenvolver atividades culturais e que, simultaneamente, possam criar novos postos de trabalho e dinamizar o sector comercial existente à volta das referidas infraestruturas.

“A CMF pode dar vida aquilo que está fechado, dinamizar o sector cultural e dar oportunidade aos jovens de exporem os seus trabalhos nas áreas da cultura, artes plásticas e escultura”, vincou. Lino Abreu defendeu, na ocasião, que faz parte do trabalho da autarquia participar e rentabilizar os espaços devolutos.

 [fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest