Guterres reconhece que “enormes desafios” o esperam na ONU

Na sua primeira intervenção pública enquanto escolhido pelo Conselho de Segurança da ONU para ocupar o cargo de secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres reconheceu os “enormes desafios” que o esperam. O antigo primeiro-ministro português e ex-Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados prometeu, se confirmado para o cargo, “servir os mais vulneráveis, as vítimas dos conflitos, do terrorismo, das violações dos direitos, da pobreza, das injustiças”.

“Estou recomendado, não sou secretário-geral”, frisou, recordando que o sul-coreano Ban Ki-moon é secretário-geral até 31 de Dezembro.

“Humildade” e “gratidão” foram as primeiras palavras que usou para descrever a “emoção” perante a decisão do Conselho de Segurança, conhecida formalmente hoje. Elogiou também o “processo exemplar de transparência e de abertura” para a eleição do próximo secretário-geral.

“Foi com emoção que verifiquei que o Conselho de Segurança pôde decidir em unidade, por consenso, de forma atempada. Gostaria de exprimir o sincero voto de que este facto seja simbólico e que represente uma capacidade acrescida do Conselho de Segurança para, em unidade e em consenso, ter a possibilidade de tomar a tempo as decisões que o mundo conturbado em que vivemos exige”, disse o ex-primeiro-ministro de Portugal.

Pin It on Pinterest