Música Conversada” aborda músicos madeirenses da década de 50

A segunda sessão da edição de 2016/17 do “Música Conversada”, projeto sessões culturais/musicais coordenado pelo professor e musicólogo Vítor Sardinha com o apoio da Associação Musical e Cultural Xarabanda, terá lugar amanhã, quarta-feira, entre as 15h30 e as 16h15, no Museu Quinta das Cruzes.

Nesta sessão, a temática escolhida foi a dos “Músicos Madeirenses da Década de 50: o contributo musical em Lisboa, Maputo e Lourenço Marques” e promete trazer novos dados sobre as práticas musicais profissionais do Funchal dos anos 50, abrindo o leque das descobertas às noites musicais de Lisboa, Luanda e Lourenço Marques, protagonizadas estas por músicos da Madeira. Acompanha-se nesta viagem pelo tempo os percursos de Helder Martins, Zeca da Silva, Artur Andrade, Fernando Olim, Antero Gonçalves, Jimmy de Sousa e já na capital, com créditos firmados Carlos Menezes e o cantor Max.

Segundo refere o responsável pelo projeto, “a década de 50 foi marcante na noite musical do Funchal. Músicos como Libertino Lopes, Antero Gonçalves, Helder Martins, Zeca da Silva, Fernando Olim, Jimmy de Sousa, Paquete de Oliveira, Carlos Freitas, Luiz Abreu «Mascote», Artur Andrade ou José Marques dos Santos, entre tantos outros, prepararam-se na atividade musical regular dos hotéis, casino e cabarets para o salto maior: a capital Lisboa e o resto do país, das movimentadas capitais coloniais, como eram o caso de Luanda e Lourenço Marques.

A sessão de amanhã assume a forma de audição musical comentada. Num primeiro momento, ouvir-se-ão registos de Helder Martins e seu conjunto e, num segundo momento, de Tony Cruz acompanhado por Helder Martins e Carlos Menezes. Recorde-se ainda que todas as sessões do “Música Conversada” têm entrada livre.

Pin It on Pinterest