Governo garante a abertura do concurso para a construção do Novo Hospital

O Governo Regional da Madeira garantiu ontem, em conferência de imprensa conjunta com os secretários regionais dos Assuntos Parlamentares e Europeus, das Finanças e da Saúde, que o futuro Hospital da Madeira está a andar a bom ritmo, prevendo-se a abertura do concurso público internacional para a construção, até ao final deste ano. Depois das fases de revisão do programa funcional e  anteprojeto finalizadas em 2016,  decorre neste momento a fase de projeto, que ficará concluída até ao Verão, procedendo-se de seguida à preparação do concurso para a construção.

Nesta conferência de imprensa, o Governo Regional da Madeira deu também conta, que no início do presente mês manifestou total disponibilidade, através de ofício enviado ao Governo da República, para iniciar o processo de cooperação conducente à aprovação do financiamento do novo Hospital Central da Madeira, conforme o que está previsto na lei de Orçamento de Estado para 2017.

Refira-se que neste Orçamento de Estado apenas consta uma intenção de apoio, não havendo para já qualquer verba prevista, todavia, define que cabe ao Governo da República, em cooperação com o Governo Regional da Madeira conduzir as diligências necessárias à candidatura da futura unidade hospitalar a “projeto de interesse comum por razões de interesse nacional”, conforme descrito no articulado. O custo total estimado do novo Hospital é de 340 milhões de euros (valor com IVA, equipamentos hospitalares,  expropriações, etc)  dos quais, 195 milhões são para a construção.

O secretário regional da Saúde disse que «é preciso comparar o que é comparável» e afirmou que este valor «está bem calculado»,  apresentando os valores de construções hospitalares que contrariam as afirmações proferidas pelo deputado do PS Madeira à Assembleia da República, Carlos Pereira, que acusou o Governo Regional da Madeira de empolar os custos totais da futura unidade hospitalar.

O Governo Regional demonstrou que os custos de construção (sem IVA, sem equipamentos hospitalares e sem expropriações), do hospital da Madeira é inferior aos previstos para o continente, nomeadamente o Hospital Oriental de Lisboa, orçado em 346 milhões de euros, para um total de camas de 825, o que representa um custo por cama de 419 mil euros, e do que o de Évora, orçado em 167 milhões de euros, para 351 camas, o que representa um custo de 475 mil euros por cama. É que, o custo do hospital madeirense é de 195 milhões de euros, para 558 camas, o que equivale a 349 mil euros por cama. «O número de camas do hospital da Madeira apresenta o mais baixo custo por cama», frisou o secretário regional com a tutela das obras públicas, Sérgio Marques,  desmentindo o deputado socialista.

O secretário regional das Finanças ressalvou que, no Orçamento Regional para este ano e como o Orçamento nacional não previa quaisquer montantes, foram incluídos 2,5 milhões de euros para avançar com as expropriações dos terrenos de Santa Rita.

Pin It on Pinterest