85% dos portugueses com mais de 35 anos têm alterações nos pés

De acordo com um estudo recente realizado pela Associação Portuguesa de Podologia (APP), 85% da população com idade superior a 35 anos, apresenta alguma alteração nos pés. Este alerta surge no âmbito do Dia do Podologista, assinalado a 8 de julho, e pretende sensibilizar para a importância de vigiar a saúde dos pés e recorrer a uma consulta de podologia, quando surgem os primeiros sintomas.

“São doze os hospitais públicos nacionais que têm consulta de podologia. A contratação de podologistas no Serviço Nacional de Saúde está direcionada para o pé diabético, mas é necessário que a consulta seja transversal, de forma a garantir que todos os doentes possam usufruir de tratamentos podológicos especializados. Prevê-se um aumento do número de vagas para o Serviço Nacional de Saúde, a verificar por mais dois concursos abertos, a decorrer em duas novas unidades hospitalares”, aponta Manuel Azevedo Portela, presidente da APP.

O pé diabético é a patologia mais complicada, sendo a principal causa de amputação da extremidade inferior. Estima-se que 15% dos doentes diabéticos desenvolvem úlceras nos membros inferiores ao longo dos anos e que 85% das amputações são provocadas por esse tipo lesões.

As calosidades, os joanetes e as onicopatias (infeções nas unhas) são as alterações mais comuns nos pés. Manuel Azevedo Portela acrescenta que “o sexo feminino é o que mais sofre com problemas nesta zona do corpo tão subvalorizada. Após os 60 anos de idade, regista-se uma prevalência de 70% das doenças osteoarticulares nos pés”.

Os nossos pés tendem a alongar e a alargar à medida que envelhecemos. “Temos de estar conscientes dessa alteração e adaptar o tamanho do calçado com o passar dos anos, para evitar deformações nos dedos o prevenir os dolorosos e inestéticos calos. É a partir dos 50 anos que começam a surgir as primeiras queixas de problemas nos pés. Para evitar esta situação, há quem recomende a utilização de calçado com um tamanho superior ao pé, em cerca de 2 cm” remata o presidente da APP e professor adjunto do Instituto Politécnico de Saúde do Norte (IPSN-CESPU) .

Pin It on Pinterest

Advertisment ad adsense adlogger