Função Pública continua luta pela via da negociação

O sindicato que representa a Função Pública promete que vai continuar a lutar pelos seus direitos sem recorrer a manifestações violentas.

Nobre dos Santos, secretário-geral do Sindicato Nacional de Trabalhadores da Função Pública (SINTAP) esteve, hoje, reunido com os associados da delegação regional para debater a actual situação política e as medidas de austeridade que constam no Orçamento do Estado de 2012.

O dirigente sindical referiu que os cortes que aí vem são ainda mais duros para os trabalhadores da administração pública, mas fez questão de salientar que a função pública não pode reagir com manifestações como as que estão a acontecer na Grécia.

Nós queremos que as manifestações sejam realizadas pelas organizações sindicais porque não defendemos a situação que se passa na Grécia de manifestações inorgânicas em que as pessoas vem para a rua partem tudo sem objectivo nenhum. Nós queremos lutar pela via da negociação com o governo”, assegurou.

O secretário-geral do SINTAP garantiu que os trabalhadores da administração pública não querem o aumento da despesa pública, porque também são contribuintes líquidos do sistema, querem apenas que o Estado cumpra com as suas responsabilidades.

Defendemos apenas que os dirigentes das várias instituições públicas tomem as medidas de gestão de maneira a que não haja desperdícios e que não cortem a direito nos trabalhadores”.

O dirigente sindical apelou ainda aos trabalhadores para aderirem à greve geral marcada para o dia 24 de Novembro, “os trabalhadores devem manifestar-se na rua, mas devem fazer greve e não ficar em casa, fiquem na rua para que as pessoas possam avaliar o descontentamento existente”, advertiu.

Já, Ricardo de Freitas, coordenador regional do SINTAP lembrou que a Madeira não está imune às medidas de austeridade e que os trabalhadores devem lutar pelos seus direitos.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest