Bem-te-quero e malmequeres

A notícia já não é de agora: condutores fingem avarias na estrada para chamarem o reboque da companhia de seguros que lhes presta assistência em viagem e assim pouparem no combustível e ainda terem um táxi pago, por exemplo, do Algarve até Lisboa. O truque? Alguns deles retiram peças imprescindíveis para o bom funcionamento do motor e depois…já está! Carro parado na berma da estrada e venha o reboque que é para isso que eu pago o seguro…
Ao ponto a que chegámos, povo triste e empobrecido!
Mas esta é de facto uma estratégia que, confesso, nunca me tinha ocorrido.
O que me dá umas ideias jeitosas para adaptar e, também eu, poupar umas massas nesta época de crise.
Primeiro vou começar por declarar diarreia depois de comer num restaurante. Provo, com amostras de fezes recolhidas pelo CSI Funchal, que a mesma se deve ao esparregado ou ao bife de atum e recuso-me a pagar a refeição.
Vou começar a deixar de pagar algumas consultas médicas porque argumentarei que o médico me deveria ter auscultado 2 cm mais abaixo do mamilo esquerdo, não me fez o toque rectal com luvas D&G ou só me pediu para abrir a boca e fazer aaaahhhhhh durante 5 segundos, e não 8 como mandam os preceitos médicos.
Vou começar a deixar de pagar o colégio da minha filha porque a professora X faltou no dia Y e nem sequer avisou. E ainda por cima só lhe dá “satisfaz mais”…
E vou também deixar de pagar o condomínio porque o jardineiro não regou aquele metro quadrado de relva, nem aquele arbusto tunisino ou não aparou a hera da vizinha que me impede de a ver vestir a camisa de noite em noites de lua vampiresca uuuuhhhhhhh…
É a crise meus senhores, é a crise…e cada um safa-se como pode!

 

António Cruz escreve de acordo com a antiga ortografia

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

 

Pin It on Pinterest