CDS insiste num tecto máximo para as viagens

O CDS continua a defender a aplicação de um tecto máximo para as viagens entre a Madeira e o Continente.

O grupo parlamentar do CDS/Madeira esteve reunido, esta manhã, com o presidente da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT), João Welsh, para tentar encontrar uma solução para o elevado preço das tarifas aéreas entre a Madeira e o Continente.

No final do encontro, a deputado centrista, Isabel Torres, lembrou que as tarifas elevadas estão a condicionar, gravemente, a mobilidade dos madeirenses e também do turismo nacional e internacional.

Para fazer face a esta situação o CDS volta a insistir na necessidade de criar um tecto máximo e um tecto mínimo nas tarifas das rotas Funchal/Lisboa e vice-versa. A continuidade da tarifa de estudante também é uma das preocupações dos deputados do Partido Popular.

Isabel Torres relembrou que o deputado eleito pelo PP, na Assembleia da República, José Manuel Rodrigues, já propôs a criação de uma comissão mista que pudesse estudar este problema. Questionada sobre a possibilidade de o ajustamento do decreto de lei 66/2008, decreto da liberalização dos Transportes Aéreos, poder acabar com o subsídio às viagens dos madeirenses Isabel Torres respondeu que a ideia do seu partido é estudar os prós e os contras e encontrar uma solução que permita que os madeirenses não fiquem com a sua mobilidade reduzida.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

[twitter style=”vertical” float=”left”]

 

Pin It on Pinterest