Carlos César defende interesses das regiões ultraperiféricas

Os apoios ao investimento e ao funcionamento em benefício de empresas das Regiões Ultraperiféricas são instrumentos fundamentais”.

O Presidente do Governo dos Açores escreveu ao Comissário Europeu da Concorrência, Joaquín Almunia, solicitando um “enquadramento único relativo aos auxílios estatais nas RUP, para assegurar a coerência e simplificação dos procedimentos.”

Carlos César salientou que a situação e estatuto específicos das Regiões Ultraperiféricas requerem “que as intensidades de apoio ao investimento em todas as empresas, independentemente da sua dimensão, sejam mantidas ao mesmo nível que vigora no período 2007-2013”, pois representam “uma alavanca estratégica para a criação de emprego nas nossas regiões”.

A carta de Carlos César, enviada na qualidade de Presidente da Conferência das Regiões Ultraperiféricas, enquadra-se no processo de revisão, em curso na Comissão Europeia, do enquadramento europeu em matéria de auxílios estatais para o período 2014-2020, o qual, considera o Presidente do Governo, “constitui um exercício decisivo merecedor da nossa maior atenção, tendo em conta, nomeadamente, o impacto da futura legislação no desenvolvimento económico e social dos nossos territórios.”

Neste contexto, o Presidente do Governo dos Açores chama a atenção do Comissário para o facto de, nas regiões ultraperiféricas, a concorrência exercer-se “de forma distinta se comparada com o mercado continental europeu”, tendo em conta, por exemplo, o “isolamento relativamente ao grande Mercado Interno e em alguns casos a dupla insularidade”, mas igualmente “a proximidade de países terceiros, com os quais a UE negoceia acordos de comércio preferenciais assimétricos”, numa combinação de fatores “que impedem o desenvolvimento pleno das nossas economias e limitam a criação de postos de trabalho.”

Recorde-se que um adequado enquadramento das regras europeias dos Auxílios de Estado são essenciais para permitir às autoridades regionais atribuir incentivos às empresas e à economia sem violar as regras da concorrência e do Mercado Interno da União Europeia.

Esta carta, que transmite a posição política da Conferência das RUP, foi também enviada para conhecimento dos comissários europeus do Mercado Interno, Michel Barnier, e da Política Regional, Johannes Hahn, tendo em conta a “importância da revisão dos auxílios estatais para o desenvolvimento económico, social e territorial das regiões ultraperiféricas e para consecução dos objetivos da estratégia “Europa 2020.”

Ao dirigir-se igualmente àqueles dois comissários europeus, Carlos César pretendeu realçar a necessidade de “uma maior coerência das políticas europeias”, na medida em que “os apoios ao investimento e ao funcionamento em benefício de empresas das Regiões Ultraperiféricas são instrumentos fundamentais à dinamização do nosso desenvolvimento económico e à criação de emprego, permitindo-nos fazer face aos efeitos da crise e da globalização do comércio”.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

 

Pin It on Pinterest