Protocolo promove leitura

A ideia é promover os hábitos de leitura junto da população reclusa do Estabelecimento Prisional do Funchal.

A Direção Geral dos Serviços Prisionais assinou, ao final da tarde de hoje, um protocolo de colaboração com a Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes, tendo em vista a promoção da leitura junto da população reclusa que se encontra no Estabelecimento Prisional do Funchal.

Recorde-se que a Biblioteca Pública Regional da Madeira, em parceria com o Estabelecimento Prisional do Funchal, tem no terreno, desde Junho de 2011 e com uma periodicidade mensal, um projeto intitulado “Liberdade de Ler”.

Assim, através da assinatura do referido protocolo a Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes oficializa e dá continuidade à parceria que tem “vindo a alcançar resultados altamente positivos”, ao nível da promoção do livro, dos hábitos de leitura e do desenvolvimento de competências pessoais e sociais dos reclusos, bem como ao nível da ampliação e diversificação do espólio literário do Serviço de Biblioteca do Estabelecimento Prisional do Funchal.

O protocolo hoje assinado será um modelo importantíssimo e único para que quem entra nos serviços prisionais saia, com toda a certeza, melhor do que entrou. A cultura é o caminho certo”, destacou o diretor geral dos Estabelecimentos Prisionais.

Rui Sá Gomes indicou, ainda, que em 2011 havia nos serviços prisionais do país 2432 reclusos em formação escolar. Paralelamente, “os serviços profissionais têm 1905 reclusos em formação profissional e têm 4543 a trabalhar. Isto só é possível através do trabalho enorme de muita gente e com a colaboração externa de muitas entidades”, sublinhou.

Aquele responsável defendeu, ainda, que os serviços profissionais têm de ser vistos “como a segunda oportunidade em termos de permitir que as pessoas aproveitem o tempo que aqui estão para saírem melhores e tomarem consciência do próprio erro que cometeram”.

Por sua vez, Conceição Estudante frisou que a reclusão tem de ser abordada como uma problemática humana e social.

As pessoas que vivem um período da sua vida dentro desta casa continuam a ser seres humanos, com todos os seus direitos, à exceção da liberdade de circulação. Por isso, devem ter oportunidades para recuperar o seu percurso de vida”, observou a secretária regional da Cultura, Turismo e Transportes.

Na ocasião, o diretor regional dos Assuntos Culturais, João Henrique Silva, anunciou que a Biblioteca Pública vai dar início a uma formação na área de encadernação de jornais, através da qual os reclusos vão dar apoio nessa tarefa.

Registe-se também que na tarde de hoje foram assinados no Estabelecimento Prisional do Funchal outros dois protocolos, um com a Tecnidelta e outro com a Escola de Condução Segurança Máxima.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest