Açores cria bolsa para curso de pós-graduação

O Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa, Rodrigo Oliveira, assinou ontem, em Lisboa, um protocolo que tem por objeto a criação de uma bolsa de estudo para o Colégio da Europa.

O acordo, formalizado com Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Europeus, Miguel Morais Leitão, prevê a atribuição de uma bolsa anual a um candidato dos Açores para a frequência de um curso de pós-graduação naquela reputada instituição, a primeira e mais importante no âmbito dos estudos de pós-graduação especializados em assuntos europeus.

Segundo Rodrigo Oliveira, “esta é uma iniciativa fundamental para a continuidade e o reforço da ação dos Açores na União Europeia, através das condições agora criadas, para que anualmente um aluno dos Açores frequente o prestigiado Colégio da Europa, entre 400 estudantes de mais de 40 países, prosseguindo um curso de especialização de 10 meses, nos campus de Bruges, na Bélgica, ou de Natolin, na Polónia”.

Conforme esclareceu o Subsecretário Regional, “estão abrangidos por esta iniciativa cursos de especialização não apenas nas áreas, mais tradicionais, das Relações Internacionais e Diplomacia da União Europeia, mas também do Direito, da Economia e das Ciências Políticas e de Administração, o que alarga consideravelmente o leque de interessados e respetivas formações académicas”.

A avaliação e escolha do candidato dos Açores serão efetuadas pelo Comité de Seleção para o Colégio da Europa, que funciona junto da Direção-Geral dos Assuntos Europeus e de acordo com os critérios previamente acordados com aquele Colégio, contando o júri com a participação de um elemento indicado pelo Governo dos Açores. 

A atribuição da bolsa dependerá de uma primeira fase de análise curricular e, depois, da aprovação em provas de seleção e poderá abranger, nos termos do regulamento geral, os custos totais ou parciais com propinas, alojamento e alimentação, incluindo ainda uma viagem de ida e volta entre os Açores e Bruges ou Natolin.

Rodrigo Oliveira alertou, a propósito, para a necessidade de “uma preparação cuidada das candidaturas, desde logo atendendo às exigências do Colégio da Europa na fase da análise curricular – Os candidatos devem ter uma sólida formação universitária, ou seja, devem ter completado a licenciatura com uma classificação final igual ou superior a 13 valores ou, caso não a tenham completado ao tempo da candidatura, devem demonstrar um bom percurso académico que permita concluir uma média final do mesmo nível. Além disso, será obrigatório apresentarem cartas de recomendação de dois professores universitários que atestem as capacidades académicas e a aptidão para a pós-graduação por parte do candidato”. Outro requisito será apresentação de certificados por Institutos de Línguas que atestem a fluência em inglês e francês, línguas nas quais serão feitas as provas de seleção e lecionados os cursos.

O Subsecretário Regional salientou, a este propósito, que o Governo do Açores “considera ser de grande interesse associar a Universidade dos Açores a esta iniciativa” e adiantou ter já coordenado esta “colaboração com a Cátedra Jean Monet, num primeiro momento através da divulgação na Região desta iniciativa e, depois, numa segunda fase, através da preparação dos alunos selecionados, sendo certo que fará também todo o sentido que o elemento indicado pelo Governo dos Açores para pertencer ao júri seja uma personalidade com o prestígio e reconhecimento inerentes à Cátedra Jean Monet” acrescentou o Subsecretário Regional.

As candidaturas abrem no quarto trimestre do corrente ano, para o curso que se iniciará em Setembro de 2013, prevendo o Governo dos Açores promover a sua divulgação e do regulamento de acesso durante o próximo mês de Setembro.

“Esta é uma oportunidade excecional para os jovens da Região Autónoma dos Açores, de um ponto de vista de perspetivas profissionais no âmbito da União Europeia, mas também na própria Região, que tem o maior interesse em contribuir para a formação de quadros especializados em diversas áreas ligadas aos assuntos europeus” – afirmou ainda Rodrigo Oliveira.

Na audiência com Miguel Morais Leitão, Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Europeus, foi também feito o acompanhamento das principais discussões em curso na União Europeia para o quadro 2014-2020 e articulação das principais posições do Governo dos Açores e das Regiões Ultraperiféricas, as quais “foram consagradas num memorando entre os Governos de Portugal, França e Espanha e as RUP assinado em 2010, documento que permanece o fio condutor da articulação das posições entre os dois níveis de poder face às instituições europeias” – relembrou o Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa, que salientou ainda, a terminar, a importância do relacionamento próximo e defesa “pelo Estado português, das posições e pretensões das Regiões Ultraperiféricas”.

[twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest