Combater o crime da violência doméstica

O Governo dos Açores apresentou hoje o Guia de Intervenção sobre o Impacto da Violência Conjugal sobre Crianças e Jovens.

Este é um programa inovador que visa ser “um instrumento orientador de boas práticas” no combate à violência doméstica sobre os menores e à quebra de ciclos de violência.

“A nossa preocupação é combater o crime da violência doméstica e recuperar as pessoas que não têm culpa de serem vítimas desta situação”, salientou hoje a Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social, Ana Paula Marques, durante a apresentação do respetivo Guia, em Ponta Delgada, acrescentando que “ a nossa linha de atuação é ajudar os menores, as pessoas que vivem num contexto familiar de violência e libertá-los das agressões e da violência”.

Publicado pelo Centro de Terapia Familiar e Intervenção Sistémica, o programa apresenta-se em Português e em Espanhol e será aplicado em simultâneo na Corunha, pela Fundación Meniños, e nos Açores, por diversas instituições, com intervenção na área da violência doméstica mas também daquelas que intervém no acolhimento de crianças e jovens e no respetivo acompanhamento, explicou a governante regional.

Este novo instrumento pretende assim apoiar todas as organizações que trabalham nestas áreas e constitui-se como uma referência metodológica para uma intervenção sobre a temática do impacto da violência de género sobre crianças e jovens.

O Guia foi concebido em parceria com a Secretaria Regional do Trabalho e Solidariedade Social, a Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória, a Fundación Meniños e contou com a supervisão do Professor Valentim Escudero da Universidade da Corunha.

Ana Paula Marques recordou ainda o Programa de Reabilitação de Agressores – Contigo- o qual já foi aplicado a 105 pessoas, e “é hoje uma referência de boas práticas a nível nacional e internacional”, salientou a governante regional, realçando ainda a estreita colaboração entre o Governo dos Açores e os representantes da Justiça e da Administração Interna na Região, cuja “disponibilidade tem facilitado a implementação de processos, também eles sem exemplo no país, como é o facto de o Ministério Publico junto à Comarca Judicial de Ponta Delgada ter afeto um Procurador para o Crime da Violência Doméstica ou no caso de a PSP ter destacado dois agentes para integrarem a equipa multidisciplinar de combate à violência doméstica, sendo a única do país que atua 24 sobre 24 horas.

Os centros de atendimento recentemente criados no âmbito dos Pólos de Prevenção e Combate à Violência Doméstica nas outras ilhas, as casas abrigos foram outros dos aspetos destacados pela governante regional.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”][fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest