Nova Democracia questiona governação de Albuquerque

Gil Canha, vereador do PND na autarquia do Funchal, diz que há dualidade de critérios na justiça.

 

O Partido da Nova Democracia disse hoje, em conferência de imprensa, que há dualidade de critérios na justiça portuguesa.

Gil Canha não compreende como o autarca de Faro, Macário Correia, corre o risco de perder o mandato por ter alegadamente violado o Plano Diretor Municipal e o presidente da Câmara Municipal do Funchal continua impune.

“Na primeira auditoria que foi feita à Câmara do Funchal, pelo Governo Regional, descobriram mais de dez casos de violações grosseiras do PDM, foram instaurados processos no Tribunal Administrativo para perda de mandato e o dr. Miguel Albuquerque permaneceu, de pedra e cal, na Câmara”.

Nesta ação política foram apontados, de igual modo, maus exemplos urbanísticos do concelho. Projetos que, segundo a Nova Democracia, foram aprovados pelo autarca do Funchal e vieram prejudicar a qualidade de vida na cidade.

“Não percebemos como é que uma pessoa que violou, constantemente, o PDM ainda permanece em funções. Isto prova que os tribunais não trabalham como deve ser ou então até podemos desconfiar de uma manobra de perseguição política ao dr. Macário Correia”, concluiu Gil Canha.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest