Declarar estado de calamidade seria um desastre

Alberto João Jardim assegurou esta tarde que a Madeira não vai declarar estado de calamidade.

O presidente do Governo Regional, que falava hoje durante a inauguração de dez pavilhões no Parque Empresarial de Câmara de Lobos, criticou ainda aqueles que defendem que a Madeira devia declarar o estado de catástrofe na sequência dos incêndios.

“Apareceram alguns levianos a querer que se declare estados de catástrofe. Isso na Madeira é um desastre. Primeiro, declarar o estado de catástrofe numa zona de turismo é o mesmo que ir às agências de viagens e dizer não vendam mais a Madeira. Em segundo lugar, acho que as pessoas que andam a querer que se declare zona de catástrofe aqui e acolá devem ter um prémio previsto das companhias de seguros, porque quando se assina uma apólice nas letras miúdas, que ninguém consegue ler, vem a dizer que em caso de catástrofe o seguro não paga”, frisou Alberto João Jardim.

No seu discurso, o governante garantiu, ainda, que os quartéis das corporações de bombeiros irão continuar nos sítios onde atualmente estão instalados.

Alberto João Jardim  voltou também a insistir na ideia de que os incêndios foram provocados por fogo posto, referindo que é estranho que a situação tenha acontecido na mesma semana em que ia ter lugar a festa do PSD na Herdade do Chão da Lagoa. “Porém, não vamos desistir de comemorar a festa da autonomia, a qual está marcada para 9 de setembro”, concluiu.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest