O Rosto, a Chamada e a certeza…

Mário Gouveia escreveu: "Vi na RTP Madeira a vaia ao Presidente da Câmara de Santa Cruz pela população de Gaula. Gostaria que tivesse sido expontânea, popular. O que me parece e que foi instrumentalizada pelo grupo político de Gaula e, se assim foi, vale zero a vaia e, perde pontos este grupo que, parece-me, aproveita os incêndios para fazer campanha a pensar nas eleições Autárquicas! Triste política, pobre política....são todos iguais!!!!"

Eis a minha opinião, como político pouco experiente e cidadão: Tenho imenso respeito por todos os profissionais da comunicação social. Na segunda-feira passada, estive com o Mário Gouveia, em Gaula, e infelizmente não tive oportunidade de ver a notícia, pois além de chegar a casa "às tantas", não tenho tv cabo, com muita gente de Santa Cruz.

Nesse mesmo dia, gerou-se o burburinho sobre a retoma das férias do presidente de Santa Cruz, José Alberto Gonçalves. O assunto foi aclarado em off nessa conferência de imprensa e, mais tarde, confirmado pela RTP, RDP, Diário de Notícias da Madeira, Diário Cidade e Tribuna. Não sei se a TVI o noticiou, mas em qualquer parte do mundo a ocorrência, transformada de boato em certeza, foi (e seria) notícia, e espalhou-se pelas mentes esclarecidas.

Na sexta, dia 27, convoquei pela autarquia de Gaula, como sempre às 14h, a comunicação social para a reunião pública ordinária da câmara e, pela primeira vez, em quase três anos de mandato, vi os serviços da câmara a solicitar com antecedência a população do Norte e Sul de Gaula, inclusive pedir ao pároco que o publicitasse nos microfones da igreja.

Nessa mesma sexta, e após ter pedido desde o dia dos incêndios uma viatura, pás, baldes, à Câmara de Santa Cruz - e nada; e de ter constatado que outros presidentes de junta viajavam com viaturas da câmara, e deputados da maioria com viaturas da câmara e do governo – o senhor presidente da câmara visitou as áreas atingidas de Gaula, inclusive a sede de autarquia, fez-se acompanhar de outros presidentes de junta, e nem teve a delicadeza de nos informar.

E muitas outras passagens discriminatórias, que é do domínio público, inclusive a do presidente do Governo, cuja comunicação social acompanhou e teve olhos para ver.

Portanto, Mário Gouveia, fala enquanto cidadão é certo, de instrumentalização do "grupo político de Gaula", mas parece não ver que a politização partidária dos incêndios nasceu na quinta-feira passada. Portanto, é mais fácil rebaixar os mais fracos e os "pequenos" que desde o primeiro momento estiveram junto do povo,  e desobstruir a via dos ricos e dos pretensos poderosos...

Na mesma sexta-feira, Mário Gouveia ligou-me, talvez por volta das 13h. Estava com um naco de carne na mão, depois de uma manhã a ajudar a limpar e a percorrer as famílias a freguesia, para tentar arranjar soluções no terreno. A conversa foi lacónica, e ao mesmo tempo carregou um cenário de emocionalmente distinto do meu. Percebi logo, pela também formação alternativa de ver além das palavras, que a coincidência da acção carregava um serviço de "recados a granel".
Enfim, acho incrível, com tantos episódios de férias na calamidade ou de ostracismo na escolha - não vir questionar uma ausência do coordenador da protecção civil concelhia, e assumir uma critica forte sobre uma presença colectiva contante de vereadores, autarcas, voluntários, designadamente do grupo político que faço honradamente parte, Pois, são critérios. Tenho os olhos bem abertos, como o lobo da história do capuchinho vermelho. A partir de agora verei melhor..., sem correr o risco de ser abatido pelo caçador.

[twitter style=”vertical” float=”left”][fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest