Agências de viagens apostam em alternativas low-cost

Por causa da crise económica e do menor poder de compra dos portugueses.

Vai ter férias e ainda não sabe para onde ir? Saiba que por causa da crise económica e do menor poder de compra dos clientes, os operadores turísticos e as agências de viagens esmeram-se para apresentar alternativas low-cost.

A Agência Abreu propõe, por exemplo, uma viagem Lisboa/Salvador/Lisboa, 10 dias – 8 noites no Hotel Vila Galé Salvador, desde 797 euros. Esta inclui: voo SATA Lisboa/Salvador/Lisboa em classe económica “SP-ABR”, transferes in+out, 8 noites em hotel Vila Galé Salvador, categoria Primeira e regime APA em Salvador, seguro multi-viagens, taxas de aeroporto, segurança e combustível.

O diretor da Agência Abreu na Madeira, António Cruz, explica que os madeirenses não abdicaram de viajar, mas que há um maior controlo dos gastos. “Nota-se de tudo um pouco. Nota-se alguns que deixaram de viajar. Nota-se os que faziam viagens mais caras ou duas viagens por ano e passaram a fazer uma viagem e aqueles que continuam a viajar sem quaisquer limitações”.

As Ilhas Canárias, as cidades europeias e os cruzeiros são outros dos produtos a ter em conta. Os valores apresentados podem começar nos 400 euros e vão até o gosto do cliente. As dificuldades sentidas obrigam “a promoções”. Um cruzeiro com saída de Barcelona, com uma semana de Mediterrâneo, podem ficar em mil euros.

O responsável considera que, neste momento, uma das grandes limitações para os madeirenses é o preço das passagens aéreas entre a Madeira e o Continente. “Isso pode ser o suficiente para destruir qualquer sonho de viagem”.

Outras das dicas para viajar low-cost é apostar nas viagens de última hora e nas épocas de menor procura. Setembro, quando muitas famílias estão nos preparativos para o regresso às aulas dos filhos, é uma boa opção. Sem contar que o tempo ainda está muito agradável.

António Cruz diz ainda que os operadores turísticos e as agências de viagens vão esperar pelo final do Verão para um balanço às operações. Mas que o futuro, regra geral, vai trazer mais dificuldades para o sector.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest