Tomada de Posse e Reunião da DRJD

O Presidente da Federação de Halterofilismo de Portugal – Vítor Estêvão, deu posse, na passada terça-feira dia 21 de fevereiro de 2017, aos Órgãos Sociais da Delegação Regional da Madeira, no Pavilhão Multiusos do Carvalheiro (Monte), sendo esta a sede provisória da Delegação.

A delegação é presidida por Emanuel Vieira, sendo acompanhado dos seguintes elementos: Guilherme Gomes (Diretor-Geral), Filipe Teles (Diretor-Adjunto), Pedro Delgado Gomes (Secretário), André Pereira da Silva (Tesoureiro) e Jorge Leão de Sousa (Vogal).

Presentes na cerimónia estiveram o Diretor Regional de Juventude e Desporto – David Gomes, a Vice-Presidente da Câmara Municipal do Funchal – Idalina Perestrelo e o Presidente do Clube de Futebol Carvalheiro – Pedro Araújo.

Vítor Estêvão, Presidente da Federação de Halterofilismo de Portugal, referiu que esta foi, das delegações que estão em conversações para serem criadas, a que começou mais tarde no processo e a primeira a ser efetivamente formada. Do seu ponto de vista, isto advém do facto de ver constituída uma equipa muito organizada e motivada. E que dará tudo o apoio possível para que a modalidade cresça a nível regional, pois também será essencial para o crescimento da modalidade e é claro objetivo da direção a que preside.

Emanuel Vieira, Presidente da Delegação Regional da Madeira, após o agradecimento as entidades oficiais presentes – CMF e DRJD, e também da equipa que aceitou fazer parte deste projeto, proferiu as seguintes declarações em essencial: “Este desafio, que tem origem na vontade de competição dos atletas que já praticam a modalidade através do CrossFit, e impulsionado pelo Pedro Araújo (que desde já aproveito para agradecer o seu empenho pessoal), é um novo mundo de possibilidades entusiasmantes. Isto porque, o Halterofilismo é um desporto de superação individual, em que através de resiliência e muito treino, nenhum objetivo é impossível.”

“Obrigatoriamente o trabalho desta direção passará por 3 momentos. No curto-prazo, na promoção das ações de formação – para treinadores e árbitros – junto das entidades que queiram desenvolver a modalidade. No médio prazo, ter uma competição regional regular, em todo o arquipélago, e que daí brote a respetiva associação regional. A terceira e última etapa, é aquela que não dependerá só dos dirigentes, mas sobretudo dos próprios atletas, pois a visão é de que, se os primeiros 2 momentos forem bem conseguidos – formação e competição – que existam de facto atletas dedicados, que elevem o nome da região além-mar, sendo apenas o ouro olímpico – o limite.”

As entidades oficiais presentes, que também usaram da palavra, congratularam-se pelo nascimento desta delegação, e que se disponibilizam a apoiar dentro dos quadros definidos nas respetivas instituições. A cerimónia terminou com um Madeira de Honra.

Já no dia 22, existiu a primeira reunião de trabalho com o Diretor Regional David Gomes, com a presença de membros da delegação regional e da federação.

Pin It on Pinterest