Governo quer novas políticas para o aumento da natalidade

A Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, afirmou que a promoção de políticas tendentes à Igualdade de Género, que repensem o papel da mãe e do pai na família, e a conciliação entre a vida profissional e familiar, a par da melhoria das condições económicas das famílias portuguesas, são os principais fatores identificados para impulsionar o aumento da natalidade em Portugal, promovendo assim a renovação geracional.

Estas declarações foram feitas na conferência «Desafios Demográficos, Natalidade, Território e Políticas Públicas», em Odivelas, município onde a taxa de fecundidade é mais elevada em Portugal.

«Ter um único filho não é suficiente para repor as gerações», disse Catarina Marcelino, lamentando que, em Portugal, «esteja instituída a ideia do filho único, embora a decisão de ter ou não filhos seja sempre pessoal, estando muito condicionada pela conjuntura» económica e social do País.

A Secretária de Estado acrescentou: «Aquilo que observamos, é que a decisão de ter filhos é cada vez mais tardia. Para muitos, é um objetivo adiado, e isso deve-se muito a um conjunto de fatores, como as políticas de rendimento ou as diferenças entre homens e mulheres no mercado de trabalho», motivo por que «as empresas devem olhar com igualdade para os seus trabalhadores».

Catarina Marcelino lembrou ainda que «o período das políticas de austeridade condicionou muito a decisão das famílias terem o primeiro ou o segundo filho, embora esta situação se tenha invertido nos últimos dois anos».

Pin It on Pinterest