Adoçantes podem ajudar a reduzir a ingestão calórica

O tema há muito que tem sido alvo de debate, com os adoçantes com baixo teor calórico a serem acusados de desempenhar um papel no aumento dos números da obesidade.

Os novos dados, agora apresentados, desmentem estas ideias e confirmam estes adoçantes como uma ferramenta para ajudar a controlar a ingestão calórica e combater o desejo de consumo de alimentos doces.

Os resultados foram apresentados pela primeira vez no Simpósio da Associação Internacional de Adoçantes (ISA), que se realizou​ no âmbito do 24º Congresso Europeu de Obesidade, no Porto, e​ vão ao encontro das conclusões de anteriores revisões e meta-análises de ensaios clínicos randomizados, já apresentadas publicamente por John Sievenpiper, professor associado do Departamento de Ciências da Nutrição da Universidade de Toronto, no Canadá. De facto, aquilo que este especialista mostrou confirma que os adoçantes com baixo teor calórico ajudam a reduzir as calorias ingeridas, melhoram o peso corporal e têm influência nos fatores de risco cardiometabólicos. “Contrariando algumas preocupações, todas as indicações provenientes das provas de ensaios randomizados de mais alta qualidade apontam para um benefício”, enfatizou Sievenpiper nas suas conclusões finais.

Já não é novidade para a comunidade científica que substituir o consumo de alimentos e bebidas açucaradas por alternativas com adoçantes de baixas calorias pode ajudar a reduzir o consumo de açúcar e a ingestão calórica em geral. Mas ainda assim, este continua a ser um tópico de controvérsia. É para eliminar quaisquer dúvidas nesta área que surgem agora os dados de um trabalho de Marc Fantino, fisiologista da nutrição francês, e da sua equipa. O ensaio clínico randomizado, que contou com a participação de 164 homens e mulheres saudáveis e com peso considerado normal, que ou eram consumidores regulares de bebidas dietéticas ou não consumiam bebidas com adoçantes, revelou “que tanto o consumo reduzido como o elevado de bebidas com adoçantes de baixas calorias (consumo diário de 660ml/dia por um período de quatro semanas) não estimula o consumo de alimentos nem aumenta a ingestão de calorias, quando comparado com a água, que é sugerida como o substituto preferido para as bebidas açucaradas”.
Charlotte A. Hardman junta a estes os resultados preliminares de uma pesquisa, que ainda decorre, realizada pela Universidade de Liverpool (Reino Unido), que analisa os fatores fisiológicos que levam os consumidores a ingerir bebidas baixas em calorias. E Charlotte A. Hardman observa que, com base nos resultados do estudo, “as preocupações com o peso corporal e as crenças positivas sobre a palatabilidade [aquilo que é agradável ao paladar] e o controlo do apetite são fatores determinantes para o consumo de bebidas com adoçantes de baixas calorias”. Ao olhar para outros comportamentos sobre o uso destes adoçantes em consumidores frequentes e não frequentes, os resultados iniciais revelam que o consumo de bebidas dietéticas pelos consumidores frequentes é uma estratégia eficaz no combate ao desejo de alimentos doces e proporciona uma redução bem-sucedida da ingestão de energia quando surgem esses desejos, comparando com os não consumidores.

Na discussão final do painel, presidida pela Professora Maria Hassapidou, os especialistas concordaram que: “Todos estes dados, em conjunto, adicionam mais evidências em defesa do argumento convincente que indica o benefício dos adoçantes de baixo teor calórico na redução das calorias em geral, e no controlo do peso, e argumentam contra o papel destes adoçantes na promoção da obesidade e da diabetes. Para colmatar eventuais incertezas mantém-se a necessidade de ensaios clínicos randomizados com mais gente, de maior duração e de grande qualidade”.

 

Pin It on Pinterest