Calor atrasa reflorestação

As temperaturas altas estão a atrasar os trabalhos de reflorestação do Parque Ecológico do Funchal.

O geógrafo e ambientalista, Raimundo Quintal, afirmou, hoje, ao CidadeNet que as temperaturas altas, que se têm feito sentir neste mês de Outubro, estão a atrasar a reflorestação no Parque Ecológico do Funchal. O ambientalista mostrou-se preocupado com a falta de precipitação, nesta época do ano, situação que está a condicionar a plantação de 12 mil plantas que se encontram em viveiro para serem utilizadas no coberto vegetal do parque que está desde o verão de 2010 sem qualquer protecção.

Com estas temperaturas altas e com a secura nós atrasamos por 15 dias as plantações que tínhamos para efectuar. Adiamos os trabalhos para dia 29 de Outubro para ver se caí alguma precipitação que prepare os solos para a plantação”, explicou. O ambientalista espera que as condições atmosféricas melhorem até ao final do mês e que haja precipitação para que o solo esteja devidamente humidificado e preparado para receber as novas plantas.

No entanto, se as temperaturas se mantiverem elevadas até dia 29, Raimundo Quintal admite um novo adiamento porque a secura do solo é muito forte. O ideal, segundo esclareceu é que durante a próxima semana as condições climatéricas alterem-se com queda de precipitação, não muito intensa, para que os solos fiquem bem humidificados e se proceda às plantações nas próximas semanas.

Sobre a possibilidade de ocorrer precipitação elevada o ambientalista refere que também não seria bom para a reflorestação porque iria destruir as plantas.

Este mês de Outubro tem sido, particularmente quente, mas já houve anos de grandes chuvas e grandes cheias, neste mês. Temos é de esperar pelas boas condições atmosféricas, e saber aproveitar os momentos em que a temperatura é regular e que há bastante humidade no solo para fazer os trabalhos”, concluiu.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest