Casas do povo com menos financiamento

Manuel António disse hoje que a ajuda direta às casas do povo vai diminuir, mas garante que o governo continuará a apoiar aquelas instituições.

O secretário regional do Ambiente e dos Recursos Naturais procedeu, ao final da tarde de hoje, à cerimónia de entrega de 75 certificados de formação em áreas diversas, onde se incluem a culinária, costura, decoração e artes decorativas. Assim, 46 certificados foram entregues na Casa do Povo da Quinta Grande e os restantes 29 na Casa do Povo de São Martinho.

Os cursos, cujos certificados foram entregues, foram realizados em articulação entre as duas referidas casas do povo e a Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais.

O momento foi aproveitado para Manuel António Correia realçar o trabalho desenvolvido pelas casas do povo da Região em prol do desenvolvimento rural  e do apoio social às populações. “Por ano são mais de duas mil pessoas que recebem formação direta, mas muitas mais frequentam as casas de povo em diversos tipos de ações”, frisou.

O governante acrescentou, ainda, que nos tempos atuais o trabalho das casas do povo “é ainda mais importante”, garantindo que o Governo Regional continuará a apoiar estas instituições.

“É evidente que do ponto de vista financeiro haverá alguns ajustamentos, uma vez que todos temos de colaborar no processo de redução dos encargos financeiros e da despesa pública. Isto quer dizer que teremos de produzir mais com menos meios. As casas de povo estão preparadas para isto e os nossos serviços também estão preparados para ajudar a que isto aconteça”, salientou Manuel António.

O secretário regional realçou, também, que o governo está cada vez mais a mobilizar alternativas de  financiamento, as quais passam pela celebração “dos clássicos” contratos-programas e dos incentivos no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

[fbshare type=”button”]


PUB