Junta ‘sem mãos a medir’

A Junta de Freguesia de Santo António tem recebido vários pedidos de ajuda de famílias daquela localidade.

“Nos dois primeiros meses após a tragédia de 20 de Fevereiro, tivemos todos os dias ajudas alimentares até porque havia cerca 125 pessoas alojadas  na Casa de Saúde de São João de Deus que dependiam da ajuda da Junta de Freguesia de Santo António para subsistir. Após esse período, as famílias têm vindo pedir ajuda em virtude da sua situação financeira”, apontou Rui Santos.

Desta forma, o presidente da  Junta de Freguesia de Santo António salienta que a atual situação económica tem feito “agravar de forma significativa” as dificuldades dos agregados familiares.

Rui Santos refere, ainda, que as famílias carenciadas têm sido apoiadas com cabazes alimentares. “Esta situação começou a acontecer no final de 2010, sendo que em 2011 os pedidos de ajuda aumentaram. Sinto que no ano 2012 a situação irá se agravar ainda mais”, indicou.

Segundo o autarca, o desemprego estará na origem do agonizar dos problemas das famílias. “Muitas vezes são ambos os conjugues que ficam sem emprego. Após o término do subsídio de desemprego, o sistema não prevê mais nada para os desempregados para além dos 197 euros do Rendimento Social de Inserção, quantia insuficiente para as famílias suportarem as suas despesas diárias”, observou.

Rui Santos falava esta tarde à margem de uma entrega de eletrodomésticos a uma família  do Laranjal, a qual foi afetada pelo temporal de 20 de Fevereiro de 2010.  O referido donativo vem na sequência da campanha solidária intitulada “Reconstruir a Madeira”, a qual é desenvolvida pela empresa “Alberto Oculista”, em parceria com a Associação Aura.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest