É assim!

O gerúndio

Há quem, repetidas vezes, não se canse de me fazer chegar, audivelmente, a sua estranheza e perplexidade pelos meus repetidos silêncios aqui neste jornal, porque, dizem, não é lá muito próprio dum colunista ou cronista, que se preze e “a sério”, primar mais – muito mais! – pela ausência de escrita do que pela presença do que articula, como parece acontecer comigo.

Pensando bem, devo, seriamente, confessar que assim não é, nem assim pode ser, de facto.

É certo que, na constância do jornal, tenho sido, aparentemente, uma sua inconstância, em especial no que tange à regularidade aritmética semanal.

Serei, desse ponto de visto, um não exemplo a não seguir, e muito agradeço, de forma penitente, à tolerância do jornal, que ainda me permite aqui voltar sempre que, do alto da minha Liberdade e Vontade, entendo voltar.

Não me interessa, em nada, que possa ser um exemplo.

Move-me, única e simplesmente, a singela e simples possibilidade que cada Um – e basta que haja um único! – possa, se e quando quiser, reflectir sobre o que se escreve e possa constatar que, porventura, o mesmo faz-lhe intrinsecamente sentido e que apela ao que lhe É. Não porque seja eu a dizer ou a escrever, mas porque, e tão somente, o seu estado de consciência demanda e determina essa circunstância actualizadora e renovadora.

Isto para dizer que a inconstância da minha presença é a constância da minha própria integração enquanto Ser. E assim é porque, como se sabe, todo o caminho se faz caminhando, toda a dificuldade se ultrapassa, ultrapassando, todo o ar se respira, respirando, tudo se faz, afinal, fazendo.

Ora, desse ponto de vista nenhuma ausência existe, pois que estas crónicas e as suas temáticas, quiçá política, social e ontologicamente incorrectas e vãs de utilidade, pretendem ser uma expressão, subjectiva, da essencialidade e nuclearidade do que É.

E que está ao alcance de Quem possa ter vontade de simplesmente querer.

E, também por isso, jamais poderei escrever sobre o que, em consciência, não possa ter, pelo menos, tentado ter para mim próprio por consubstanciado e integrado.

Não é uma questão de exemplo para ninguém (como diz o ditado, “presunção e água benta cada um toma a que quiser”). É, bem mais prosaicamente, a premência inalienável de ser, sim, um exemplo para mim mesmo.

Pois que só eu posso conjugar o meu gerúndio, com a feliz impossibilidade de o poder alienar a favor de ninguém.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest