Dia histórico para o golfe nacional

Ricardo Santos, de 29 anos, vence o seu primeiro torneio do European Tour, na 20ª edição do Madeira Islands Open Portugal, disputado no Santo da Serra Golf.

Este é um torneio concessionado pelo European Tour e também pelo Challenge Tour, com 675 mil euros em prémios monetários. Entra para a história do golfe nacional por ser o segundo representante português a vencer uma prova do principal circuito europeu, logo no ano de estreia do escalão principal do golfe europeu. O cheque de 112.500 euros garantiu-lhe o “cartão” para competir mais uma época no European Tour e um convite para disputar o BMW PGA Championship, super torneio de 4500 mil euros. Coloca-o, ainda, no Top 50 da “Corrida para o Dubai”. A vitória não podia ter sido mais memorável, termina com -22 pancadas, com uma última volta incrível de 63 pancadas, 9 abaixo do par do campo, com um registo de 9 “birdies”. Ricardo Santos vê, assim, o seu nome não só inscrito no troféu do Madeira Islands Open Portugal, mas também no “record” da prova, sendo o jogador que venceu com menos pancadas. O anterior “record” pertencia a James Morrisson, com -21 pancadas, obtidas em 2010 no Porto Santo Golf.Passaram exatamente 20 anos desde que Daniel Silva, sul-africano, luso descendente, que representava as cores nacionais, venceu em Inglaterra, o Jersey European Airways Open (1992), para voltamos a ter um português erguer um troféu na principal “liga” do golfe europeu. Ricardo Santos é o primeiro profissional formado pelas escolas portuguesas, Vilamoura, e pela seleção nacional a vencer uma prova desta importância.

As expectativas eram muito grandes e nem por isso Ricardo Santos se deixou abalar. Não começou a derradeira ronda a liderar, pelo caminho, o dinamarquês Andreas Harto foi escalando até ao primeiro lugar, com 6 “birdies” nos primeiros nove buracos. O buraco 12, 14 e 15 foram decisivos uma vez que o jovem de 23 anos não aguentou a pressão e fez “bogey”, abrindo uma frecha para Santos não desperdiçar e arrematar o título com uma volta imaculada “bogey-free”. O ponto de viragem foi no “green” do 17, quando meteu um “putt” de cerca de 10 metros, confirmando assim o seu domínio.

Apesar das quatro dezenas de seguidores que não o largarem desde o início, o português confessou que esteve até ao penúltimo buraco (17) sem perceber que era o líder. Ouviu-o pela boca de um fã inglês que gritou “já temos campeão”. Nos restantes buracos “só” precisou de controlar as emoções, fazer a volta da sua vida, e viver o momento mais importante da sua carreira. Foi um dia memorável para mim e para Portugal não tenho palavras para descrever o momento”, disse o jogador visivelmente emocionado.

À chegada do 18 tinha uma centena de apoiantes à sua espera, ouvia-se palmas, assobios e um coro de “olé, olé” ensaiado pelos jogadores portugueses que não quiseram perder a vitória do luso, entre eles o seu irmão mais velho Hugo, que não passou o “cut” do torneio. Mal a bola entra no buraco do “green” do 18, para “birdie”, uma chuva de champanhe brinda o campeão, e tal como nos confessou depois sentir-se pequeno: “tenho quase 1,90 mas naquele momento senti-me com meio metro”.

Na hora de falar com os jornalistas de vários países europeus que se encontravam na Madeira a emoção falou mais alto e a voz tremeu-lhe ao dedicar a vitória à mulher, Rita Brissos, à filha Vitória e aos seus pais.

O algarvio ainda não sabia como iria festejar tamanha proeza, mas não hesitou em dizer que já só pensava em Wentworth Club, palco do BMW PGA Championship.Magnus Carlsson foi o vice-campeão do 20º Madeira Islands Open com 270 pancadas (-18) scores de 66/66/71/67. Em terceiro lugar ficou o dinamarquês Andreas Horto com 271 pancadas ( -17), 67/71/66 e 67. Os portugueses, António Rosado e Nuno Henriques, terminaram a sua prestação de forma positiva, abaixo do par do campo. O madeirense Nuno Henriques ficou na 53ª posição com 285 pancadas (-3) com 73/67/73/72 pancadas, recebeu um cheque de 2.256 euros. António Rosado ficou sete posições abaixo (60º) com um total de 286 pancadas (-2) com 72/69/72/73.

Cerimónia em Português

Foi a primeira vez que a cerimónia de entrega de prémios do Madeira Islands Open celebrou-se em português. O anfitrião, António Henriques, presidente do Clube de Golfe do Santo da Serra destacou a vitória do Ricardo Santos como um orgulho para Portugal e para a 20ª edição do Open Madeirense. Alberto João Jardim, presidente do Governo Regional da Madeira, sublinhou a importância desta prova com 20 anos de existência e agradeceu aos patrocinadores por continuarem com esta aposta. Estiveram, também presentes João Cunha e Silva, vice-presidente do Governo Regional da Madeira, a secretaria Regional de Turismo e Transportes, Conceição Estudante, David Williams, director da prova, o presidente da Federação Portuguesa de Golfe, Manuel Agrellos e o representante do sponser Banco BPI, Carlos Agrellos.

 Resultados:

1º Ricardo Santos -66/67/68/63 – 266 pancadas (-22.

2º Magnus Carlsson – 66/66/71/67 – 270 (-18)

3º Andreas Horto – 67/71/66 e 67. 271 pancadas ( -17)

Portugueses

53ª Nuno Henriques – 73/67/73/72 -285 pancadas (-3)

60º António Rosado – 72/69/72/73 – 286 pancadas (-2)

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

 


PUB