“Não posso, nem devo, interferir” nos trabalhos da Assembleia [VÍDEO]

Representante da República pediu ainda um “rápido entendimento” entre a Madeira e a República.

O Representante da República na Madeira, Ireneu Barreto, revelou hoje que não pode, nem deve, “interferir, nem interpretar, nem comentar, o modo como funciona a Assembleia Legislativa da Madeira”.

Apesar de garantir que nunca deixará passar um diploma, que seja inconstitucional ou prejudicial para os interesses dos madeirenses e dos portossantenses, o responsável explicou que numa democracia existe “uma separação de poderes”.

Ireneu Barreto falava à margem da conferência: “O Ambiente e os Direitos Humanos”, organizada pela Escola Secundária Gonçalves Zarco, onde destacou a necessidade de encontrar um equilíbrio entre o desenvolvimento social e económico e a preservação do meio ambiente e dos recursos naturais.

“O direito ao ambiente saudável é uma conquista recente. Até meados do século passado, não se falava em direitos do ambiente. Hoje é uma luta e temos uma situação muito difícil a este nível, porque há um conflito de interesses, entre o desenvolvimento e a preservação da natureza”.

Sobre a transferência de verbas para a Região Autónoma da Madeira, no âmbito do Plano de Ajustamento Financeiro, o Representante da República disse que tudo fará para um “rápido entendimento” entre a Madeira e a República. Até porque, mais do que as questões políticas, está em causa o interesse regional.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest