Jantar de apoio a Albuquerque junta 430 pessoas [VÍDEO]

O evento encheu o restaurante ‘A Parreira’, na Penteada. No discurso, o candidato a presidente do PSD Madeira teceu críticas ao partido.

Foram 430 pessoas que estiveram reunidas para mostrar o apoio a Miguel Albuquerque, candidato a presidente do PSD Madeira.

“Hoje é um dia histórico para o nosso partido onde estão reunidos mais de 400 militantes que não querem mudar de partido, nem criar um partido novo”. Foi desta forma que Albuquerque começou a sua intervenção numa clara alusão ao  presidente do Governo Regional.

Albuquerque centrou o seu discurso no modo como o PSD Madeira está no momento presente e acima de tudo fez por várias vezes referência ao próximo congresso do PSD que deverá ser realizado em abril de 2013. Na remota possibilidade do congresso não acontecer, Albuquerque foi perentório: “Temos aqui militantes que podem facilmente requerer um congresso extraordinário, mas não o queremos fazer pois o PSD Madeira tem que dar o exemplo e cumprir os estatutos”.

Olhando para o interior do partido, o presidente da Câmara Municipal do Funchal, referiu que o PSD Madeira “estagnou e perdeu  a sua capacidade reformista e dinâmica” abrindo portas à “bajulação e ao oportunismo”.

Neste encontro marcaram presença várias pessoas conhecidas da sociedade madeirense, como Pedro Calado, Henrique Costa Neves, Rui Abreu, Sílvio Santos ou Rubina Leal que alegadamente terá sido confrontada por Jardim na reunião da Comissão Política a propósito da sua presença no primeiro jantar de apoio a Albuquerque.

 Algumas frases que marcaram o discurso de Miguel Albuquerque:

– Não estamos contra ninguém;

– Só há duas opções: ou o PSD muda e opta por novos caminhos de esperança para o nosso povo, ou o PSD continua fechado sobre si próprio a reboque do passado, dos acontecimentos, vive no passado e perde de vez o crédito que ainda tem junto da população;

– Os partidos democráticos como o nosso têm um conjunto de regras claras, os estatutos;

– Nem o presidente do PSD, nem a Comissão Política, nem o Conselho Regional podem alterar os estatutos;

-Deixou-se de ouvir o cidadão;

– É necessário despertar o partido;

– A vossa presença neste jantar tem constrangimentos e condicionalismos. Eu tenho conhecimento do que se passa;

– O Chão da Lagoa não é do senhor “A” ou “B”, é uma festa de todos os sociais democratas;

– Continuaremos a tratar as pessoas com cordialidade

– Em política não há inimigos, há adversários,

– Quem está no exercício de cargos públicos tem que dar o exemplo de como trata os seus adversários e companheiros de partidos.

Pequeno vídeo mostra o ambiente vivido no restaurante “A Parreira”:

 

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fbshare type=”button”] [fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]

 

 

 

 

 

Pin It on Pinterest