Governo cede novo espaço ao Centro da Mãe

Casos de jovens grávidas têm registado uma ligeira quebra. Em 2011 contaram-se 29.

O Governo Regional da Madeira, através da Secretaria Regional dos Assuntos Sociais, vai ceder um espaço para ampliar as instalações do Centro da Mãe, localizado na Avenida Luís de Camões. O anúncio foi feito, hoje pela manhã, na sessão de abertura do seminário: “Monoparentalidade e Vulnerabilidade Social”.

O secretário regional, Francisco Jardim Ramos, considerou importante que se debata esta problemática “séria”, promovendo assim condições para que as famílias possam “ambicionar um projeto de vida mais consistente a nível pessoal, familiar e social”.

A Região Autónoma da Madeira apresentava, em 2001, cerca de 8.622 famílias monoparentais. Mas o Governo Regional acredita que os censos, realizados em 2011, darão conta de números bem superiores. Sendo que, atualmente, os serviços regionais de segurança social ajudam 4.130 crianças e jovens.

Trata-se de uma “rede social de suporte para reduzir o grau de vulnerabilidade e fazer com que esta nova família continue a ser um espaço de afetos, de aprendizagem e de transmissão de valores que acompanhe o ser humano ao longo da vida”, apontou o governante, destacando em todo este processo a intervenção do Centro da Mãe.

Ana Mafalda Costa, presidente da associação Centro da Mãe, sublinhou que, apesar dos números relativos  à gravidez na adolescência terem diminuído, há ainda algumas carências formativas e informativas nesta matéria. E, por isso, a importância destes seminários que alertam e formam os profissionais da área.

“Até aos 17 anos, tivemos 29 casos de jovens grávidas em 2011. Relativamente a anos anteriores isto é muito significativo porque mostra uma baixa nos números. O que significa que todo o trabalho que tem sido realizado na Região Autónoma da Madeira, por todas estas entidades, está a ter resultados”.

O objetivo, ainda assim, é reduzir estes números a zero. Isto porque, conforme explica a responsável, uma adolescente “nunca está preparada para ser mãe”. Acrescente-se que o Centro da Mãe tem investido também na formação junto das famílias desestruturadas e onde o risco de pobreza é maior.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”]

Pin It on Pinterest