Jovens LGBTI juntam-se para debater sobre Sida

Numa altura em que o número de novos casos de infeção por VIH em jovens e em Homens que têm Sexo com Homens (HSH) está a aumentar em Portugal e na Europa, a rede ex aequo – associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes coloca como prioritária a discussão pública sobre o VIH/Sida. Realiza-se, por isso, a Tertúlia “VIH/Sida nas Pessoas LGBTI” no próximo sábado, dia 3, no Funchal.

Assinala-se a 1 de dezembro o Dia Mundial Contra a Sida e é nesse sentido que a rede ex aequo organiza uma iniciativa tertuliana, que se realiza no Espaço Paulo Martins a 3 de dezembro, pelas 17:30h. Além da rede ex aequo, a tertúlia terá a presença de Gilberta França e Manuela Oliveira pela APF – Associação para o Planeamento da Família, e de Catarina Lacerda pela Fundação Portuguesa “A Comunidade Contra a SIDA”.

A tertúlia está aberta à participação de todas as pessoas e pretende debater ideias e estratégias para uma sensibilização sobre o VIH/Sida mais eficaz na população lésbica, gay, bissexual, trans e intersexo (LGBTI) num âmbito regional. O acesso à informação, aos tratamentos e à prevenção do VIH, os preconceitos e a serofobia e o crescimento do número de casos em jovens e em HSH e as suas práticas sexuais, serão alguns dos outros temas discutidos.

A rede ex aequo é uma associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes entre os 16 e os 30 anos de idade, que trabalha no apoio à juventude LGBTI portuguesa. Entre os vários projetos estão os grupos locais, a ida às escolas para discussão e debate sobre orientação sexual, identidade e expressão de género e o incentivo à denúncia do bullying homofóbico e transfóbico através do Observatório da Educação LGBTI.

Em junho passado, por iniciativa de dois jovens a associação criou o seu primeiro grupo local além Atlântico com a fundação do grupo ex aequo funchal, que foi lançado com a realização do Ciclo de Cinema LGBTI. Desde aí, o grupo tem dinamizado encontros quinzenais para jovens LGBTI e apoiantes onde debatem assuntos comuns, e realizado iniciativas em estabelecimentos educativos.

 

Pin It on Pinterest