“Livros Proibidos na Ditadura de Salazar”

Uma exposição com dezenas de “Livros Proibidos na Ditadura de Salazar” abre no dia 25 de abril (3ªfeira), às 15h30, no Fórum Cultural de Ermesinde, Valongo. Evocando o aparelho censório da ditadura de Salazar e Caetano, a mostra evidencia a importância do golpe militar do “25 de abril “ de 1974 .

Esta iniciativa do Museu Nacional da Imprensa é promovida pela Câmara Municipal de Valongo e apresenta, além dos livros, vários autos de apreensão feitos em livrarias de Portugal continental e das ex-colónias, como Timor, Moçambique e Angola.

Mário Soares, Manuel Alegre, António José Saraiva, José Cardoso Pires, Raul Rego, Jorge de Sena, Egas Moniz, José Afonso, Ary dos Santos, Fidel Castro, Sartre, Marx, Lenine e Darwin são só alguns dos autores cujos livros foram apreendidos e estão patentes na exposição.

O anúncio da morte do escritor Alves Redol n’O Primeiro de Janeiro, um texto de José Saramago no Jornal do Fundão, a entrevista a Aquilino Ribeiro no Jornal de Notícias, foram alguns dos artigos cortados na época e que também podem ser vistos no Fórum de Ermesinde.

Um dos documentos patentes na exposição mostra que em 1965 foram apreendidos em Angola, na Livraria Lello, vários exemplares do livro “Gabriela Cravo e Canela”, de Jorge Amado, cuja telenovela haveria de “parar” o país após o ’25 de abril’. Tudo o que se referisse a sexualidade, revolução, sindicalismo, liberdade, feminismo, estava sob a alçada repressiva da Comissão de Censura.

A exposição pretende mostrar ao público em geral a máquina destruidora do pensamento e da literatura que vigorou em Portugal durante a “ditadura de Salazar e Marcelo Caetano”.

Mais do que documentar os anos em que predominou a Censura, esta exposição visa chamar a atenção de todos para a importância da liberdade, reconquistada no 25 de abril de 1974.

A mostra ficará patente até ao dia 25 de maio, no Fórum Cultural de Ermesinde.

Pin It on Pinterest